Notas

Confira um breve resumo sobre Joaquin Phoenix

Antes de eu começar a escrever sobre os seus sucessos no papel antes de ‘Coringa’, resolvi fazer um breve resumo para conhecermos um pouco sobre o incrível ator que atende pelo nome de Joaquin Phoenix.

O norte-americano de 44 anos é um dos atores mais bem falados de Hollywood, nunca teve problema ao interpretar um papel ou gravar um filme com um gênero cinematográfico diferente.

Ele é um ator que está sempre em busca do primeiro lugar.

Em 2017, Phoenix conquistou a estatueta de melhor ator no Festival de Cannes, um prêmio inédito na elogiada filmografia do astro de Hollywood.

Joaquin já interpretou Jesus em “Maria Madalena” (2018) e ainda encarnou o cartunista tetraplégico John Callaham em “Don’t Worry, He Won’t Get Far on Foot” (2018), passando boa parte das gravações confinado em uma cadeira de rodas.

Se um traço peculiar nesse ator é a adoração pelo drama psicológico. Talvez por isso ela tenha aceitado com um grande entusiasmo o papel de Coringa. E um tipo de filme do qual estamos acostumados a assistir, mais sinistro e tenso.
“Eu vejo (este filme) como qualquer outro. Não diria, ‘Não faço faroeste’. Depende do que está em jogo. Eu não ligo para o gênero (do projeto), ligo para o personagem e o diretor. Se você tem a habilidade de transcender o estilo, então é isso que você quer fazer. Então não negaria (o papel), não diria ‘não, não vou fazer este tipo de filme'”, contou o ator para o site “Fandango”.

‘Coringa’ está previsto para estrear no dia 3 de outubro de 2019.

Confira abaixo alguns papéis do qual o ator já interpretou:

Gladiador (2000)

Gladiador é um filme icônico, e a atuação de Joaquin Phoenix lhe rendeu a sua primeira indicação ao Oscar. No longa ele interpreta Commodus, filho do então imperador, Marco Aurélio (Richard Harris), que demonstra estar em seus últimos dias. Contudo, ao invés da escolha óbvia do filho como sucessor, o imperador demonstra interesse em conceder o cargo ao general Maximus (Russell Crowe), por entender que ele possuiria mais força que o filho na liderança de Roma. É a partir daí que se inicia uma longa história de vingança, com Commodus assassinando o próprio pai e ordenando a destruição completa da vida de Maximus.

Johnny & June (2005)

Com mais uma indicação ao Oscar e levando o Globo de Ouro de melhor ator de comédia ou musical, Phoenix encarou um dos maiores desafios da carreira ao ser protagonista do longa Johnny & June. Interpretando o lendário Johnny Cash, o ator se entregou de corpo e alma, apresentando um de seus trabalhos mais memoráveis.
A obra conta a conturbada trajetória do músico, repleta de escândalos e abuso de drogas, mas foca principalmente na história de seu relacionamento com a também cantora June Carter (Reese Witherspoon), uma união que durou 35 anos e só teve fim com a morte da mesma em 2003. Joaquin foi escolha do próprio Cash para interpretá-lo e o ator teve aula de canto e de guitarra durante 6 meses, interpretando todas as faixas que vemos no filme. A imersão foi tanta que o ator consegue replicar com perfeição cada trejeito do cantor. Toda essa dedicação resultou em mais uma indicação ao Oscar.

O Mestre (2012)

O Mestre, mais um filme que rendeu ao ator uma indicação ao Oscar, conta a história do marinheiro Freddie Quell (Phoenix). No fim da Segunda Guerra Mundial, o homem retorna aos Estados Unidos, mas não consegue se readequar a vida e ao mundo pós-guerra, sofrendo de estresse pós-traumático e se afundando no álcool e no vício em sexo. É nesse contexto que ele conhece Lancaster Dodd (Phillip Seymour Hoffman), mestre de uma seita conhecida como “A Cura”, que o convida a fazer parte do movimento. Reticente no início, Quell acaba se envolvendo intrinsecamente com o mestre e suas ideias, tornando-se cada vez mais dependente da seita. O presente desse longa fica pela troca impecável em cena de Joaquin Phoenix e Phillip Seymour Hoffman (Capote), que mostram uma química imensa.

Ela (2013)

A obra surge com uma premissa que pode causar estranhamento, contando a trajetória de Theodore (Phoenix), um homem introvertido que ainda sofre com o término de seu último relacionamento e que adquire um recente sistema operacional chamado Samantha (Scarlett Johansson), que promete atuar como uma inteligência artificial para auxílio nas atividades diárias. Contudo, Theodore acaba se apaixonando pela personalidade do programa, iniciando aí uma relação que presenteia o espectador com inúmeros questionamentos.

Você Nunca Esteve Realmente Aqui

(2017)


O filme conta a história de Joe (Phoenix), um veterano de guerra que carrega consigo uma série de traumas do passado e que trabalha resgatando mulheres que vivem em condições de abuso e de trabalho sexual. O protagonista é então contratado por um senador para resgatar sua filha, e é nessa situação, em meio a uma operação fracassada, que as coisas começam a fugir do controle.

Encerramento do resumo:

Joaquin Phoenix é um ator que promete se entregar de corpo e alma aos seus papéis. Eu tenho totalmente confiança que ele irá fazer um ótimo Coringa.

Confira os vencedores da DC e Marvel que ganharam o prêmio Eisner Awards; Tom King é o grande vencedor!

O Eisner Awards na noite de 19 de julho, na San Diego Comic-Con, os vencedores da tradicional premiação de histórias em quadrinhos e nosso amado Tom King foi o grande vencedor do prémio. Entre os destaques estão as HQs Dias Gigantes, que levou os prêmios de melhor séries e melhor humor, e Senhor Milagre que venceu na melhor categoria melhor minissérie e é desenhada por Mitch Gerads, que levou na categoria melhor arte-finalista.

Confira abaixo a lista de ganhadores DC e Marvel:

MELHOR HISTÓRIA CURTA:

The Talk of the Saints” por Tom King e Jason Fabok, em Swamp Thing Winter Special (DC Comics)

MELHOR HISTÓRIA EM EDIÇÃO ÚNICA:

Peter Parker: The Spectacular Spider-Man #310, de Chip Zdarsky (Marvel)

MELHOR MINISSÉRIE:

Senhor Milagre, de Tom King e Mitch Gerads (DC Comics)

MELHOR ÁLBUM GRÁFICO (REPUBLICAÇÃO):

Visão capa dura, de Tom King, Gabriel Hernandez Walta, e Michael Walsh (Marvel)

MELHOR ROTEIRISTA:

Tom King por Batman, Senhor Milagre, Heroes in Crisis e Swamp Thing Winter Special (DC Comics)

MELHOR ARTE-FINALISTA:

Mitch Gerads por Senhor Milagre (DC Comics)

MELHOR COLORISTA:

Matt Wilson por O Poderoso Thor, Fugitivos (Marvel)

MELHOR LETRISTA:

Todd Klein por Batman: Cavaleiro Branco (DC Comics); Eternity Girl e Livros da Magia (Vertigo/DC Comics).