Arquivo da tag: Mulher Maravilha

Produtor atualiza situação de Mulher-Maravilha 3

Filme não possui data para estrear.


O produtor executivo de vários filmes da DC, Charles Roven, e que esteve presente nos dois longas da franquia Mulher-Maravilha, atualizou o status de produção do terceiro filme de Patty Jenkins com a estrela Gal Gadot, em uma entrevista ao ComicBook.

Anúncios

“Estamos começando a montar algo. Estamos nos movendo em uma direção. Definitivamente, é algo que queremos realizar.”

Mulher-Maravilha 1984 teve uma recepção mista de crítica e público, e arrecadou pouco mais de US$ 166 milhões, após ser adiado diversas vezes por conta da pandemia. O longa foi um sucesso de público na HBO Max, sendo o primeiro a chegar ao streaming, e começar a leva de estreias simultâneas nos Estados Unidos.

Atualmente, Patty Jenkins parece estar focada em Star Wars: Rogue Squadron para um lançamento de dezembro de 2023, mas nada impede que Mulher-Maravilha 3 chegue em 2023, em junho, ou depois. Segundo Connie Nielsen, a produção apenas espera uma data da Warner para começar a desenvolver o filme. Não há mais detalhes sobre o filme.

Em Mulher-Maravilha 1984, a heroína está nos anos 80, e novos perigos surgem, quando Maxwell Lord (Pedro Pascal) quer controlar todos, e Diana encontra em sua amiga, sua predadora mais feroz, a Mulher-Leopardo (Kristen Wiig).

O filme estreou em 2020, e teve lançamento simultâneo nos cinemas e HBO Max nos Estados Unidos, durante o Natal.

Mulher-Maravilha 1984 conta no elenco com Gal Gadot (Mulher-Maravilha)Chris Pine (Steve Trevor)Kristen Wiig (Mulher-Leopardo)Pedro Pascal (Maxwell Lord), Connie Nielsen (Hipólita) Robin Wright (Antíope).


Quer receber mais conteúdos como este? Nos ajude a manter o site sempre atualizado!

Uma vez
Mensal
Anualmente

Faça uma contribuição única

Faça uma contribuição mensal

Faça uma contribuição anual

Escolha um valor:

R$5,00
R$30,00
R$100,00
R$5,00
R$30,00
R$100,00
R$5,00
R$30,00
R$100,00

Ou insira uma quantia personalizada:

R$

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

ContribuirContribuirContribuir
Anúncios

Gal Gadot celebra nascimento de terceira filha com foto

Atriz posou ao lado de suas filhas e seu marido. 


Após anunciar que estava grávida ainda em março, a atriz israelense Gal Gadot, de 36 anos, deu à luz a sua terceira filha, que se chamará Daniella. A atriz postou uma foto com o marido Jaron Varsano e suas duas filhas, Alma, de 9 anos e Maya, de 3, com Daniella sendo segurada por Alma. Veja:

Anúncios

“Minha querida família. Eu não poderia estar mais grata e feliz (e cansada), estamos todos muito animados em receber Daniella em nossa família. Estou enviando a todos vocês amor e saúde.”

A atriz que completou 36 anos no dia 30 de abril, é a intérprete da Mulher-Maravilha no cinema. Seu último filme no papel da Princesa Amazona, que já é o quarto, foi em Mulher-Maravilha 1984. Ela também pode ser vista na Liga da Justiça de  Zack Snyder.

Em Mulher-Maravilha 1984, a heroína está nos anos 80, e novos perigos surgem, quando Maxwell Lord (Pedro Pascal) quer controlar todos, e Diana encontra em sua amiga, sua predadora mais feroz, a Mulher-Leopardo (Kristen Wiig).

Mulher-Maravilha 1984 conta no elenco com Gal Gadot (Mulher-Maravilha)Chris Pine (Steve Trevor)Kristen Wiig (Mulher-Leopardo)Pedro Pascal (Maxwell Lord), Connie Nielsen (Hipólita) Robin Wright (Antíope).

O filme está disponível na HBO Max.


Quer receber mais conteúdos como este? Nos ajude a manter o site sempre atualizado!

Uma vez
Mensal
Anualmente

Fazer uma contribuição única

Fazer uma contribuição mensal

Fazer uma contribuição anual

Escolha um valor:

R$5,00
R$30,00
R$100,00
R$5,00
R$30,00
R$100,00
R$5,00
R$30,00
R$100,00

Ou digite um valor personalizado:

R$

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

ContribuirContribuirContribuir
Anúncios

Mulher-Maravilha 3 | Connie Nielsen diz que esperam a Warner definir uma data

Patty Jenkins já escreveu um argumento.


A estrela da franquia Mulher-Maravilha, Connie Nielsen, que interpreta a Rainha Hipólita, concedeu uma entrevista ao JOE.ie, falando sobre o terceiro filme. De acordo com a atriz, a produção está aguardando uma data da Warner Bros. para Mulher-Maravilha 3 ser lançado.

Anúncios

“Acho que estamos apenas esperando a Warner Bros. nos dar uma data. Há um argumento que Patty Jenkins já escreveu”, disse a atriz.

Nielsen parece estar animada com Mulher-Maravilha 3 e para o spin-off das Amazonas. Para o filme derivado, a atriz afirmou que irá explorar algumas linhas do tempo das guerreiras místicas da Grécia. Ela falou que apenas está esperando ver como a DC está priorizando seu universo nos cinemas.

“Então, há toda essa coisa para Mulher-Maravilha 3 e também para As Amazonas. Acredito até que existe um projeto autônomo para as Amazonas”, comentou Nielsen, dizendo que ainda acredita que o filme derivado esteja nos planos da DC/Warner. “Então eu acho que estamos apenas esperando para ver onde a DC prioriza seus investimentos no DC-Verse.”

A Warner já planejou fazer uma trilogia para a Mulher-Maravilha, e ela seria a segunda trilogia de heróis na DC, ficando atrás da trilogia Cavaleiro das Trevas. O primeiro filme, lançado em 2017, foi um sucesso de crítica e bilheteria, arrecadando pouco mais de US$ 822 milhões. Já Mulher-Maravilha 1984 dividiu o público e a crítica com um lançamento durante a pandemia, e arrecadou apenas US$ 166 milhões, sendo a bilheteria mais baixa do DCEU. Ao contrário dos cinemas, o longa fez sucesso na HBO Max.

Vale ressaltar que Patty Jenkins, que dirigiu os filmes, Mulher-Maravilha Mulher-Maravilha 1984 não irá dirigir o derivado das Amazonas, ficando apenas como produtora e roteirista ao lado de Geoff Johns.

Não há maiores detalhes sobre Mulher-Maravilha 3 e o derivado das Amazonas.


Quer receber mais conteúdos como este? Nos ajude a manter o site sempre atualizado!

Uma vez
Mensal
Anualmente

Fazer uma contribuição única

Fazer uma contribuição mensal

Fazer uma contribuição anual

Escolha um valor:

R$5,00
R$30,00
R$100,00
R$5,00
R$30,00
R$100,00
R$5,00
R$30,00
R$100,00

Ou digite um valor personalizado:

R$

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

ContribuirContribuirContribuir
Anúncios

Snyder Cut | David Thewlis reage sobre sua participação no filme

Ator interpretou Ares em Mulher-Maravilha.


O ator David Thewlis, de inúmeros filmes como Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban, Cruzada e Mulher-Maravilha (2017), se surpreendeu ao ver seu rosto em Ares na Liga da Justiça de Zack Snyder. Em seu perfil no Instagram, o ator comentou sobre sua “participação”.

Anúncios

“Eu só gostaria de dizer que não me lembro de que isso aconteceu – presumo que foi antes do lockdown. Não conheço esses cavalheiros e não faço ideia por que meu braço esquerdo é tão pequeno. Qualquer um com mais informações, por favor, apresente-se”, escreveu o ator.

Thewlis interpretou o Ares em Mulher-Maravilha, e foi creditado posteriormente em Liga da Justiça (2017), em uma aparição curta de alguns segundos. Seu rosto não estava tão perceptível no filme de Joss Whedon.

Com a direção de Zack Snyder, o elenco conta com Ben Affleck (Batman)Gal Gadot (Mulher-Maravilha)Henry Cavill (Superman)Ray Fisher (Cyborg)Ezra Miller (Flash)Jason Momoa (Aquaman)Amy Adams (Lois Lane) e Diane Lane (Martha Kent).

Liga da Justiça de Zack Snyder está disponível no HBO Max nos Estados Unidos. No Brasil, o filme está disponível nas seguintes plataformas: Apple TV, Claro, Google Play, Looke, Microsoft, Playstation, Sky, Uol Play, Vivo e WatchBr.

Fique ligado no Critical Room para mais atualizações do Snyder Cut, seguindo nosso Instagram e se inscrevendo em nosso canal no YouTube.


Quer receber mais conteúdos como este? Nos ajude a manter o site sempre atualizado!

Uma vez
Mensal
Anualmente

Faça uma contribuição única

Faça uma contribuição mensal

Faça uma contribuição anual

Escolha um valor:

R$5,00
R$30,00
R$100,00
R$5,00
R$30,00
R$100,00
R$5,00
R$30,00
R$100,00

Ou insira uma quantia personalizada:

R$

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

ContribuirContribuirContribuir
Anúncios

Morre Joye Hummel, primeira escritora da Mulher-Maravilha, aos 97 anos

Escritora foi reconhecida e creditada apenas em 2018.


Em 1941, William Moulton Marston criou a Mulher-Maravilha, a maior heroína dos quadrinhos. Apesar do psicólogo criar a heroína, ele precisava de um auxílio de alguma jovem, e foi aí que surgiu Joye Hummel, a assistente de Marston que ficou conhecida como escritora-fantasma (via The Washington Post).

JoyeHummel1943

Anúncios

Até então, a Sra. Hummel tinha 19 anos, e nunca leu nenhuma história em quadrinhos. O criador da amazona, precisava de uma nova pessoa, que compartilhasse sua visão, e conseguiu. Hummel escreveu algumas histórias da Mulher-Maravilha por três anos seguintes, sem ser creditada por isso.

“Você entende que eu quero que as mulheres sentem que têm o direito de sair, estudar, encontrar algo que gosta de fazer e sair no mundo e fazê-lo”, lembrou a escritora, das palavras de Marston.

hummel_wonderwoman21

A Sra. Hummel ficou cada vez mais reconhecida pelo público em 2014, após a entrevista da escritora Jill Lepore, que publicou o livro “A história Secreta da Mulher-Maravilha”. Em 2018, pelo seu grande trabalho, ela foi agraciada pelo prêmio Bill Finger, na San Diego Comic-Con, e homenageada pelo prêmio do Eisner Awards, que concede a escritores desconhecidos. Marston foi diagnosticado com poliomelite cinco meses após os trabalhos juntos com Hummel, e ficou afastado dos quadrinhos, deixando ela em seu lugar.

maxresdefault (1)

Agora, reconhecida e devidamente creditada, a Sra. Hummel trabalhava com uma Mulher-Maravilha lutando contra o fascismo e causas feministas, não a deixando sempre sexy. Ela usava, tanto da visão de Marston como a sua, e escreveu mais de 70 roteiros, com instruções para os artistas. No final de 1947, Hummel parou de escrever quadrinhos logo após se casar. Apesar de tudo, ela ficou descontente com a nova visão de outros quadrinistas para a Mulher-Maravilha.

“Mesmo se eu não tivesse saído por causa de minha nova filha, eu teria renunciado se me dissessem que teria que fazer [Mulher Maravilha] uma supermulher masculina que pensa e atua”, escreveu a artista, em um e-mail para Lepore.

Em 2014, a quadrinista doou seus arquivos para o Museu Smithsonian, sendo um deles, o exame de psicologia que chamou a atenção de Marston para com ela.

imrs

Após se aposentar da DC, Hummel veio a trabalhar como uma secretária em uma corretora de Hollywood. Ela também estudou para ser corretora de bolsa. Em 2017, ela concedeu uma entrevista à revista Haven, e relembrou com carinho seu estudo e exame de certificação para ser registrada na Bolsa de Valores de Nova York.

“Acredito que Marston ficaria orgulhoso de mim”, disse a quadrinista.

Joye Hummel, agora conhecida como Joye Murchison Kelly (nome de casada) morreu no dia 5 de abril, após completar 97 anos de vida um dia antes. Ela faleceu em sua casa em Winter Haven, na Flórida. A morte foi confirmada pelo seu filho, Robb Murchison, e a causa não foi informada. De acordo com ele, a Sra. Hummel era “realmente uma mulher maravilhosa”.

Descanse em paz, Sra. Hummel.


Quer receber mais conteúdos como este? Nos ajude a manter o site sempre atualizado!

Uma vez
Mensal
Anualmente

Faça uma contribuição única

Faça uma contribuição mensal

Faça uma contribuição anual

Escolha um valor:

R$5,00
R$30,00
R$100,00
R$5,00
R$30,00
R$100,00
R$5,00
R$15,00
R$100,00

Ou insira uma quantia personalizada:

R$

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

ContribuirContribuirContribuir
Anúncios

Crítica: Liga da Justiça de Zack Snyder (2021)

 Aviso: Crítica sem spoilers!


Épico, grandioso e brutal. A Era de Heróis de Zack Snyder tem seu fim.


Após o infame e desastroso filme da Liga da Justiça em 2017, que teve Joss Whedon no comando, os fãs da DC Comics, que estão mergulhados no universo da editora, ficaram descontentes com o produto final, que não foi tão satisfatório assim. Todo o problema que o filme envolveu, com uma produção totalmente bagunçada, refilmagens gerais e um encurtamento de duração, fizeram com que os fãs do diretor Zack Snyder levantassem a famosa hashtag nas redes sociais: Release The Snyder Cut. Uma grande luta que foi vista pelo diretor, o fez incrementar partes de seu filme, e após quase um ano de ser anunciado, seu corte oficial para a Liga da Justiça foi finalmente lançado!

Você pode não gostar do diretor, mas não pode negar o fato dele ter conseguido uma grande façanha, e de que esse corte, é muito mais memorável quanto ao que foi “jogado” no cinema. Essa realmente é a palavra, “jogado”, sem necessidade de melhorias, às pressas, para que o calendário de 2017 pudesse ser cumprido. Com um resultado muito abaixo do esperado com Liga da Justiça, a DC Films e Warner Bros. se viram à mercê de um caminho sem volta para um universo compartilhado; vindo desde Homem de Aço até Mulher-Maravilha, unindo-os para o filme da maior equipe dos quadrinhos. Com grande orçamento e uma bilheteria abaixo do esperado, o bilhão, a ideia que Snyder teve foi excluída, até os fãs conseguirem uma grande façanha junto do diretor, o lançamento de seu corte. É, de fato, um grande sucesso, que chegou a fazer a HBO Max sair do ar por alguns instantes nos Estados Unidos. É aqui que você percebe que o mundo precisava do filme, e da verdade omitida durante anos.

Zack Snyder introduz e dá mais vez ao Cyborg (Ray Fisher), colocando-o como ponto focal do longa, visto que o mesmo foi construído a partir de uma Caixa Materna. Há uma apresentação bem mais segura e precisa, com sua relação com seus pais e sua paixão pelo futebol americano. Com o Flash (Ezra Miller), também há uma construção mais favorável, ligando um pedaço de sua origem que é com seu pai Henry Allen (Billy Crudup) e sua migração na Liga da Justiça. E claro, fechando o ciclo de apresentações por parte dos heróis, o Aquaman (Jason Momoa) está em toda sua forma, puxando um gancho com seu filme, ao ver sua relação com Mera (Amber Heard) e Vulko (Willen Dafoe). É algo bem diferente do proposto no corte final que foi para os cinemas, dando as estes personagens como já estabelecidos, o que não é o caso.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Batman (Ben Affleck) e Mulher-Maravilha (Gal Gadot) estão em sua performance total para com seus personagens, e bem encaixados na trama, assim com Lois Lane (Amy Adams), que serviu de coração para o filme de 2017. Para o Snyder Cut, Lois foi mais amistosa, com menos tempo de tela, mas importante. O foco é maior nos três novos heróis citados no parágrafo anterior, além de vermos uma boa visibilidade na importância de Alfred (Jeremy Irons) para com os heróis; que, ao invés de trazer Bruce como fez em Batman vs Superman, o papel se inverte e é Bruce quem o traz para o mundo atual.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Retratar vilões poderosos para os cinemas não é um trabalho muito fácil, mas Snyder conseguiu transformar Darkseid e o Lobo da Estepe (Ciarán Hinds) em vilões com objetivos. Claro que seu tio, Lobo da Estepe, tinha objetivo no relance de Joss Whedon, mas era genérico por não possuir uma motivação clara, algo que se cai por terra no Snyder Cut. Não estão apáticos, amigáveis ou sorrindo de prazer em querer matar, mas, estão atrás de um objetivo, sem se desviar do caminho e descobrindo um antigo sonho do líder supremo de Apokolips. Além destes, há um papel menor para DeSaad, bem colocado na trama, e claro, um vislumbre magnífico do salão principal de Apokolips.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Visualmente falando, o filme é magnífico, com uma fotografia invejável, méritos do diretor, que nunca falha nesse quesito e poderia muito bem merecer um prêmio por isso. O CGI, no tempo decorrente do filme que dura 4 horas, consegue ser superior ao enfadonho bigode do Superman (Henry Cavill), ou ao mal finalizado Cyborg. O processo de novas cenas adicionais, com o Knightmare, também é louvável, mas nada tão espetacular do que foi visto antes, e possui uma pequena queda na qualidade de computação gráfica, que não estraga a experiência.

Uma outra questão a ser abordada é a trilha sonora de Junkie XL, que mistura a ação com o épico, mas não é memorável. A melodia com as Amazonas e a Mulher-Maravilha é algo a ser bem lembrado, e com certeza a melhor faixa sonora, ao lado das faixas sonoras focadas no Superman mas, mesmo com cenas marcantes, a trilha sonora não acompanha em todo o filme. Ela não consegue criar uma atmosfera dramática que consegue engradecer o filme como em Batman vs Superman ou Mulher-Maravilha. Tem seu valor, assim como a de Danny Elfman, que rebusca o clássico e algo caricato, e Junkie XL, cria algo mais épico e com ações envolventes. Há pontos negativos que se referem ao roteiro, um erro cometido que pode incomodar um pouco, claro, mas não leva o filme por água abaixo.

Abrindo um pequeno espaço para o Knightmare, que fora concluído e com um gancho sendo mantido para o futuro, é uma cena totalmente fora do nosso habitual. Estamos acostumados a ver Injustice, com o mundo dividido entre Batman e Superman, mas não como o Superman sendo controlado por Darkseid. A cena possui um grande peso para o epílogo, que mostra a visão de Bruce de um mundo totalmente distorcido. Não foi colocada como uma cena qualquer, possuindo sentido e conexão com Batman vs Superman, e que serviria de gancho para os próximos filmes da franquia. Poderia haver, sim, um pouco mais do Knightmare, deixando o sabor amargo do “quero mais”, mas, isso poderá ser desenvolvido até mesmo em The Flash, caso seja possível.

Eve3ApTXAAU6emx

Eu não poderia deixar de falar do Superman, é claro, e sua volta dos mortos, sendo uma forma para fechar com chave de ouro. Se pegarmos a visibilidade que tivemos em Homem de Aço e o temperamento de Clark Kent, misturarmos com a personalidade quebrada e endeusada do super-herói em Batman vs Superman e jogarmos em Liga da Justiça, veremos ele em sua total forma. Snyder começa a construir com o filme solo do Escoteiro uma trama, que seria desenvolvida contra o Batman num filme seguinte, com uma equipe no final. Ligeiramente, a personalidade questionável em Batman vs Superman, deixe em aberto uma questão: O Superman é realmente bom? O Snyder Cut prova que sim, em seu retorno e reconstrução do herói a partir de Homem de Aço, como se esquecesse sua melancolia para com as pessoas em seu filme seguinte. O paralelo narrativo feito por seus dois pais, com a semelhante cena de voo de seu filme solo, é um manjar dos deuses, e talvez um dos momentos mais épicos, se não, o momento mais épico, mostrando a total performance de Henry Cavill para com o Superman, que agora está com seu arco finalizado, sendo agora uma fonte de esperança para o mundo novamente.

Ewd689iXEAEQGAR


Veredito

A Liga da Justiça está em sua total glória, com uma premissa contra deuses e subtramas dramáticas, que apresentam o essencial para que a equipe seja unida ao longo do filme. Zack Snyder conseguiu realizar sua grande obra, e tornou ela realidade para os fãs, mesmo que muitos tenham achado que o corte original não existia. A paleta de cores usada pelo diretor beira ao mais escuro, representando a profundidade, perca de esperança e ceticismo que existia na humanidade.

Com um elenco de peso e convincente, atuando de forma igual para seus personagens, e um roteiro profundo, que explora cada perda e o lado pessoal dos heróis ainda não desenvolvidos, o Snyder Cut entrega tudo o que prometeu e muito mais. Mesmo que possa haver uma ou outra inconsistência por parte da personalidade de um herói, ou mesmo, em alguma cena, todo o filme é um épico brutal, que é magnífico visualmente, e denota a importância da Liga da Justiça para a DC Comics. É o filme que a Liga da Justiça merece.

8,5/10.


Quer receber mais conteúdos como este? Nos ajude a manter o site sempre atualizado!

Uma vez
Mensal
Anualmente

Faça uma contribuição única

Faça uma contribuição mensal

Faça uma contribuição anual

Escolha um valor:

R$5,00
R$30,00
R$100,00
R$5,00
R$30,00
R$100,00
R$5,00
R$30,00
R$100,00

Ou insira uma quantia personalizada:

R$

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

ContribuirContribuirContribuir
Anúncios

Review: Future State | Immortal Wonder Woman #2 (2021)

Mulher-Maravilha é a última heroína da Terra a estar viva.


A imortalidade custa caro, e Diana Prince sente na pele o que é ver todos a sua volta morrerem. Na segunda edição de Immortal Wonder Woman, a Mulher-Maravilha continua vagando pelo espaço, para encontrar luz ou vida. E de fato, encontra o último que deveria poder vir a ser a luz, com um nome que não representa vida e luz. Ela é a última dos heróis a estar viva, e ainda tem histórias para contar.

Anúncios

Becky Cloonan e Michael W. Conrad trazem novamente a única heroína da Terra para continuar a narrar sua história de solidão, e de como o Superman pode ter se sacrificado. Usando mais dois adicionais além do cinto de utilidades do Batman, a capa do Superman e o anel do Lanterna Verde em volta do pescoço, a guerreira Amazona relata os últimos momentos do Superman e uma força poderosa chamada Anulação, que derrubou até mesmo a Legião dos Super-Heróis. Estas sombras são o grande perigo que podem ter dizimados quase todos os heróis da Terra.

FS_IMWW_02-DIANA-4

Apesar de acreditar e ter esperança, algo que o Superman significava em seus ideais, os caminhos para a luz e vida pareciam distantes, até encontrar o Espectro, um ser vazio, como um fantasma, mas que possuía a vida, por ainda existir vida no universo. E mesmo que tudo pareça perdido, ela dá vida para um universo morto.

immortal-wonder-woman-2-4

Seguindo ao contrário da história principal, a história de apoio que é focada em Núbia, levanta a questão da heroína ter sua tiara como chave para os planos de Cálice, que invoca Circe para ajudar. Em sua primeira edição, a história pareceu ter um  rumo mais simples e direto, mas, na nova edição, a trama tenta misturar Apokolips com o Olimpo, na tentativa de explicar um pouco mais o futuro de Diana.

Com a história sendo um ponto positivo, a arte consegue dar ainda mais auxílio e ser um grande destaque. Há, de fato, uma arte mais detalhada na história de apoio do que na principal, e muito bem feita por Alitha Martinez. Já Jen Bartel é quem desenha Diana e toda a arte do quadrinho focado na super-heroína, e parece gostar de trabalhar com traços simples, mas bem produzidos; em um cenário totalmente incomum para a Mulher-Maravilha, denotando o vazio do universo.

Immortal Wonder Woman #2 apresenta duas histórias tentando se conectar uma com a outra, dando o suporte adequado que é preciso. Com uma arte belíssima e um roteiro um pouco mais profundo que a primeira edição, o novo quadrinho continua a explorar o vazio de um universo morto, sendo Diana a última heroína da Terra. Immortal Wonder Woman, atualmente, está sendo o melhor título do Future State.

FS_IMWW_Cv2-copy


Quer receber mais conteúdos como este? Nos ajude a manter o site sempre atualizado!

Uma vez
Mensal
Anualmente

Faça uma contribuição única

Faça uma contribuição mensal

Faça uma contribuição anual

Escolha um valor:

R$5,00
R$30,00
R$100,00
R$5,00
R$30,00
R$100,00
R$5,00
R$30,00
R$100,00

Ou insira uma quantia personalizada:

R$

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

ContribuirContribuirContribuir
Anúncios

5 grandes filmes feitos por mulheres que você deve assistir

Com protagonistas femininas também fazendo apoio.


No Dia Internacional da Mulher, nada mais justo que indicações de filmes de diretoras ou protagonistas femininas. Com a indústria de Hollwyood dando mais espaço para as mulheres, seja na questão de elenco, direção, roteiro ou compositora, os filmes conseguem ser mais diversificados e representativos do que jamais foi. Nesta matéria, iremos indicar cinco filmes feitos por mulheres, tendo ou não uma atriz como protagonista.


1. Nomadland

Da diretora Chloé Zao, Nomadland traz atriz Frances McDormand no papel principal e relata sobre a vida de Fern, uma mulher que vive como uma nômade moderna, explorando a sociedade convencional pelo oeste americano. O longa faturou o prêmio principal do Festival de Veneza, além de ter vencido em algumas categorias no Globo de Ouro e Critic’s Choice Awards. O filme da mesma diretora de Os Eternos, futuro longa-metragem da Marvel Studios, é um dos favoritos a estar presente no Oscar.

2. Mulher-Maravilha e Mulher-Maravilha 1984

0hoDqWfy7zMGtMLhinPJZPPHZ4MwR_QiNoKBhhdRxAbl81TiQ7JRwoXmAraA9kTnc1Ih93DWsnK1oySnFtdR0o

A maior heroína de todos os tempos não iria faltar com seus dois filmes. Com Patty Jenkins sendo diretora de ambos e Gal Gadot no papel de Mulher-Maravilha, o primeiro filme bateu recorde de bilheteria e foi o primeiro filme de heróis a ter uma diretora, juntamente com sua sequência, que contou com a diretora roteirizando ao lado de Geoff Johns.

Mulher-Maravilha (2017) apresenta a jovem Diana, ainda inexperiente, para frear a Primeira Guerra Mundial ao lado de Steve Trevor (Chris Pine). Ela acredita que Ares (David Thewlis) está por trás de toda a tragédia, e seus ideias e habilidades ajudam a vencer vários embates. Já em Mulher-Maravilha 1984, a heroína, com uma vasta experiência no mundo dos homens, ela ainda continua escondida de todo o mundo. Porém, algo a desperta, e precisa enfrentar um grande perigo construído por Max Lord (Pedro Pascal). Diana, ao mesmo tempo em que salva o mundo, tem de lidar com o retorno misterioso de Steve Trevor e uma nova inimiga, a Mulher-Leopardo (Kristen Wiig).

3. Psicopata Americano

psicopata-americano-1-1200x630_widelg

Dirigido por Marry Harron, Psicopata Americano (2000) começa o grande estrelado de Christian Bale para Hollywood, interpretando Jason Bateman, um excêntrico jovem que atua como assassino durante a noite. Bateman tem inveja de quem possui mais do que ele, e começa a sempre procurar uma nova vítima, para saciar sua sede de sangue. O longa é baseado no romance de mesmo nome escrito por Bret Easton Ellis, em 1991.

4. Adoráveis Mulheres

Com grande parte do elenco sendo atrizes, Adoráveis Mulheres, de Greta Gerwig, foi indicado a várias categorias no Oscar, faturando o prêmio de Melhor Figurino. Baseado na obra de Louisa May Alcott, o filme conta a história das irmãs Jo (Saoirse Ronan), Beth (Eliza Scanlen), Meg (Emma Watson) e Amy (Florence Pugh), que amadurecem na virada da adolescência para a vida adulta enquanto os Estados Unidos atravessam a Guerra de Secessão. Com personalidades completamente diferentes, elas enfrentam os desafios de crescer unidas pelo amor que nutrem umas pelas outras.

5. Encontros e Desencontros

blogib_encontros-e-desencontros_feat-1

Sem dúvidas, não poderíamos deixar Sofia Coppola de fora da lista. Com quatro indicações ao Oscar e tendo vencido uma, Encontros e Desencontros traz Bill Murray e Scarlett Johansson em um dos melhores filmes já feitos pela cineasta. A trama apresenta Bob Harris, uma estrela de cinema que está em Tóquio para fazer um trabalho. Charlotte, por sua vez, está na cidade acompanhada de seu marido, um fotógrafo que a deixa sozinha o tempo todo. Sofrendo com o horário, Bob e Charlotte não conseguem dormir. Eles se encontram, por acaso, no bar de um hotel de luxo, e em pouco tempo tornam-se grandes amigos.


Participe de nosso quiz nos stories do Instagram e escolha sua personagem favorita no “Esse ou Aquele?“.

Quer receber mais conteúdos como este? Nos ajude a manter o site sempre atualizado!

Uma vez
Mensal
Anualmente

Faça uma contribuição única

Faça uma contribuição mensal

Faça uma contribuição anual

Escolha um valor:

R$5,00
R$30,00
R$100,00
R$5,00
R$30,00
R$100,00
R$5,00
R$30,00
R$100,00

Ou insira uma quantia personalizada:

R$

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

ContribuirContribuirContribuir
Anúncios

O que a cena da Terra de Ninguém de Mulher-Maravilha representa?

Heroína inspira diversas mulheres ao redor do mundo desde 1941.


Mulher-Maravilha, sem dúvidas, foi uma das melhores criações nos quadrinhos de super-heróis de todos os tempos, e ainda mantém seu título de maior heroína dos quadrinhos. Na década de 70, Lynda Carter interpretou Diana na série clássica da Mulher-Maravilha, e décadas mais tarde, em 2017, a guerreira amazona ganhou seu próprio filme em live-action pela DC Comics e garantiu seu espaço entre os maiores do mundo.

Com Gal Gadot assumindo a protagonista e Patty Jenkins na direção do filme, a primeira mulher a dirigir um filme de herói, a missão da DC e das duas mulheres era transformar a Mulher-Maravilha em um símbolo novamente, assim como fizeram com o Superman de Christopher Reeve e o Batman de Christian Bale. Não só transformar em um símbolo, mas trazer inspiração para as mulheres através dos olhos de Diana, e tudo o que a heroína significa: Paz, igualdade e justiça. Seria um pecado não falar da personagem no Dia Internacional da Mulher.

Mesmo que toda a produção tenha ocorrido bem, houve percalços com a Warner, e uma cena em específico que deveria ser tirada: Diana entrando na guerra. Os executivos jamais imaginaram que essa cena seria uma das melhores de todos os tempos nos filmes de heróis, se tornando a cena mais inspiradora até então. Mas, o que representa a cena da Terra de Ninguém, e por que ela é tão importante para o cinema e a indústria de super-heróis?

Criação

Antes de mais nada, é sempre bom lembrar que a Mulher-Maravilha foi criada em 1941 por William Moulton Marston e H.G Peter, no intuito de não ser um par romântico de algum herói, e também, tentar acompanhar o sucesso de Superman e Batman. 

Sua primeira aparição se deu na All Star Comics #8, e posteriormente, a Mulher-Maravilha ganhou chance na Sensation Comics, e pouco tempo depois teve seu próprio título mensal. Seus quadrinhos tratavam muito da opressão gerada durante a guerra, mas também, do machismo e preconceito contra à mulher, vista apenas como dona de casa. A Mulher-Maravilha ajudou muitas mulheres a erguerem sua voz para lutarem por seus direitos. Ela lutava contra a opressão e o mal, levando também o amor para o mundo dos homens.

A Terra de Ninguém

5c11fc94442dc606727def7a3fdd7ce6

Como mencionado acima, Diana é um símbolo de paz e igualdade, e luta por todos àqueles que não são capazes de lutar por si mesmos. Nesse ínterim, o filme mostra todo o machismo e opressão durante a Primeira Guerra Mundial, com a Mulher-Maravilha tendo que ser desfavorável à isso. Sua crença nos deuses gregos permite que ela acredite que Ares esteja por trás da guerra – e, de fato, ele está. Mas, mesmo que essa crença na maior parte do filme seja explorada, a Princesa das Amazonas também vê todo o sofrimento de mulheres e crianças em meio à guerra.

Mesmo que não pudesse salvar todos da morte, ela faria de tudo para tentar, e lutar pelos inocentes era seu dever. E a cena logo chega…

“Não podemos salvar todo mundo”, frase de Steve Trevor, ecoa na mente de todos os soldados ali presentes. Como todos os inocentes seriam salvos das mãos dos alemães, que dominaram um vilarejo local? A cena representa muito em tão pouco tempo, e transforma a Mulher-Maravilha em muito mas do que já era. A transforma num símbolo feminino de empoderamento e de compaixão para com outros.

A cena mostra o que os horrores de uma guerra podem causar até em atos mais heroicos. A representatividade da Mulher-Maravilha se encaixa com a sequência de ação, que a demonstra como uma mulher forte e esperançosa, batalhando pela vida de inocentes, já que ninguém o faz. Há uma mistura de sentimentos, crenças e ideais, indo desde a tristeza de Diana ao ver as pessoas desamparadas, até sua força e justiça para batalhar e tornar o mundo um lugar melhor. 

Com a vitória da batalha de Jenkins contra a WB, a cena não foi cortada, e representou todos os ideias presentes da Mulher-Maravilha durante alguns minutos. Ela representa a coragem e a força de uma mulher contra uma sociedade machista na época, e sua liberdade para fazer o que quiser.

A cena que inspira muitas mulheres, se tornou a cena mais marcante da DC após a trilogia do Cavaleiro das Trevas, não só por sua trilha sonora, boa condução ou pelo seu significado, mas sim, pela mensagem que quer transmitir: A força de uma mulher contra a opressão.

1478190135-wonder-woman-bullet

O Critical Room deseja a todas as mulheres um Feliz Dia da Mulher.


Quer receber mais conteúdos como este? Nos ajude a manter o site sempre atualizado!

Uma vez
Mensal
Anualmente

Faça uma contribuição única

Faça uma contribuição mensal

Faça uma contribuição anual

Escolha um valor:

R$5,00
R$30,00
R$100,00
R$5,00
R$30,00
R$100,00
R$5,00
R$30,00
R$100,00

Ou insira uma quantia personalizada:

R$

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

ContribuirContribuirContribuir
Anúncios

Mulher-Maravilha ganha teaser no Snyder Cut; veja

Heroína comanda a equipe para batalhar contra o Lobo da Estepe.


Hoje (8), no Dia Internacional da Mulher, Zack Snyder divulgou um teaser da Mulher-Maravilha no Snyder Cut, celebrando a data tão especial. Veja logo abaixo:

Anúncios

No clipe, vemos que Diana está em Atenas, após sua mãe, Rainha Hipólita (Connie Nielsen) ter alertado sobre a invasão sofrida na ilha de Themyscira. Ela se junta ao Cyborg (Ray Fisher) e Aquaman (Jason Momoa) para derrotar o Lobo da Estepe e dar um fim no general de Darkseid.

Com a direção de Zack Snyder, o elenco conta com Ben Affleck (Batman)Gal Gadot (Mulher-Maravilha)Henry Cavill (Superman)Ray Fisher (Cyborg)Ezra Miller (Flash)Jason Momoa (Aquaman)Amy Adams (Lois Lane) e Diane Lane (Martha Kent).

Zack Snyder’s Justice League será lançado no dia 18 de março pela plataforma de streaming HBO Max – que chegará no Brasil apenas em junho.


Quer receber mais conteúdos como este? Nos ajude a manter o site sempre atualizado!

Uma vez
Mensal
Anualmente

Faça uma contribuição única

Faça uma contribuição mensal

Faça uma contribuição anual

Escolha um valor:

R$5,00
R$30,00
R$100,00
R$5,00
R$30,00
R$100,00
R$5,00
R$30,00
R$100,00

Ou insira uma quantia personalizada:

R$

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

ContribuirContribuirContribuir
Anúncios

Mulher-Maravilha 1984 ganha vídeo surpresa celebrando os 80 anos da heroína

Vídeo faz homenagem à série clássica de Lynda Carter.


Para celebrar os 80 anos da Mulher-Maravilha neste ano, Gal Gadot publicou, em suas redes sociais, um vídeo surpresa de Mulher-Maravilha 1984, unindo os protagonistas e antagonistas em formas de desenho e também em live-action. Confira:

Anúncios

O vídeo homenageia a série clássica dos anos 70, em que Lynda Carter estrelou, e, consequentemente, tornou a Mulher-Maravilha um ícone de sucesso entre as meninas, chegando ao patamar de Batman e Superman. A música tema também pode ser ouvida no vídeo, se tornando tão conhecida como o tema original de John Williams para o Superman.

A Mulher-Maravilha foi criada em 1941, por William Moulton Marston e H.G Peter, na All Star Comics #8. O psicólogo, além de criar a Mulher-Maravilha, também criou o polígrafo, o detector de mentiras, e por isso, o Laço de Hefesto – ou da verdade – obriga sempre o inimigo a dizer a verdade. 

Em Mulher-Maravilha 1984, a heroína está nos anos 80, e novos perigos surgem, quando Maxwell Lord (Pedro Pascal) quer controlar todos, e Diana encontra em sua amiga, sua predadora mais feroz, a Mulher-Leopardo (Kristen Wiig).

O filme estreou em 2020, e teve lançamento simultâneo nos cinemas e HBO Max nos Estados Unidos, durante o Natal.

Mulher-Maravilha 1984 conta no elenco com Gal Gadot (Mulher-Maravilha)Chris Pine (Steve Trevor)Kristen Wiig (Mulher-Leopardo)Pedro Pascal (Maxwell Lord), Connie Nielsen (Hipólita) Robin Wright (Antíope).


Quer receber mais conteúdos como este? Nos ajude a manter o site sempre atualizado!

Uma vez
Mensal
Anualmente

Faça uma contribuição única

Faça uma contribuição mensal

Faça uma contribuição anual

Escolha um valor:

R$5,00
R$30,00
R$100,00
R$5,00
R$30,00
R$100,00
R$5,00
R$30,00
R$100,00

Ou insira uma quantia personalizada:

R$

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

ContribuirContribuirContribuir
Anúncios

Gal Gadot anuncia terceira gravidez: “Lá vamos nós de novo”

Atriz fez um anúncio em suas redes sociais.


A atriz israelense e intérprete da Mulher-Maravilha, Gal Gadot, anunciou que está grávida de seu terceiro filho (a) e postou uma foto, fazendo um anúncio, com seu marido Jaron Varsano e suas duas filhas, Alma, de 9 anos e Maya, de 3. Veja:

Anúncios

Com a legenda “lá vamos nós de novo”, a atriz posa com sua família para a foto, com seu marido e suas filhas com a mão em sua barriga. Gal Gadot e Jaron Varsano são casados desde 2008, e tiveram sua primeira filha em 2011, e a segunda em 2017. Gadot estava grávida em parte das gravações de Mulher-Maravilha e nas filmagens de Liga da Justiça.

Gadot tem 35 anos, e já possui alguns filmes em sua carreira. O mais recente deles a ser lançado foi Mulher-Maravilha 1984. Ela também gravou Morte no Nilo, que chega em setembro deste ano. A atriz não deu detalhes sobre o período de gestação.

Em Mulher-Maravilha 1984, a heroína está nos anos 80, e novos perigos surgem, quando Maxwell Lord (Pedro Pascal) quer controlar todos, e Diana encontra em sua amiga, sua predadora mais feroz, a Mulher-Leopardo (Kristen Wiig).

Mulher-Maravilha 1984 conta no elenco com Gal Gadot (Mulher-Maravilha)Chris Pine (Steve Trevor)Kristen Wiig (Mulher-Leopardo)Pedro Pascal (Maxwell Lord), Connie Nielsen (Hipólita) Robin Wright (Antíope).

O filme está em cartaz em todos os cinemas do Brasil.


Quer receber mais conteúdos como este? Nos ajude a manter o site sempre atualizado!

Uma vez
Mensal
Anualmente

Faça uma contribuição única

Faça uma contribuição mensal

Faça uma contribuição anual

Escolha um valor:

R$5,00
R$30,00
R$100,00
R$5,00
R$30,00
R$100,00
R$5,00
R$30,00
R$100,00

Ou insira uma quantia personalizada:

R$

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

ContribuirContribuirContribuir
Anúncios

Connie Nielsen fala sobre o spin-off das Amazonas

Atriz esclareceu a linha do tempo do derivado.


Em uma entrevista para o site CinemaBlend, a atriz Connie Nielsen, que interpretou a Rainha Hipólita em Mulher -Maravilha (2017) e Mulher-Maravilha 1984, disse acerca do filme derivado de Mulher-Maravilha – no qual, destacará as Amazonas – que esse será, tanto uma sequência quanto prelúdio.

“Bem, posso dizer que (a história) não se passa apenas depois de ‘Mulher Maravilha’. Há também algumas outras coisas lá, que estão relacionadas a um tempo anterior também”, disse a atriz, que continua. “Existem elementos que você pode pensar que a história de origem (das Amazonas) é o foco, mas outros tempos serão explorados. Então, sim, estamos empolgadas em entregar isso ao público.”

Assim, possivelmente o derivado trará cenas do passado das Amazonas, e até mesmo a relação dessas com Zeus e Ares.

Vale ressaltar que Patty Jenkins, que dirigiu os filmes, Mulher-Maravilha e Mulher-Maravilha 1984 não irá dirigir o derivado das Amazonas, ficando apenas como produtora e roteirista.


Aproveite:

Mulher-Maravilha: Terra Um Vol. 1 com 46% de desconto na Amazon. Para comprar, clique aqui! Você também pode levar o segundo volume do quadrinho com 35% de desconto. Clique e confira.


Quer receber mais conteúdos como este? Nos ajude a manter o site sempre atualizado!

Uma vez
Mensal
Anualmente

Faça uma contribuição única

Faça uma contribuição mensal

Faça uma contribuição anual

Escolha um valor:

R$5,00
R$30,00
R$100,00
R$5,00
R$30,00
R$100,00
R$5,00
R$30,00
R$100,00

Ou insira uma quantia personalizada:

R$

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

ContribuirContribuirContribuir
Anúncios

Solicitações de quadrinhos da DC Comics para maio

Editora solicitou diversos títulos e continuações.


A DC Comics solicitou há alguns dias, novos quadrinhos que chegarão em maio deste ano, com diversos títulos, incluindo o Future State, títulos de Infinite Frontier, o novo Senhor Milagre, outros eventos para a Liga da Justiça e muito mais. O Critical Room reúne as principais solicitações para você.

Confira todos os quadrinhos no CBR.


Moça-Maravilha #1
  • Escrito por Joelle Jones;
  • Arte por Joelle Jones;
  • Capa de Joelle Jones;
  • Cores por Jordie Bellaire;
  • Letras de Clayton Cowles.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Sinopse: “Criada na longínqua terra de Boise, Idaho, Yara sempre sentiu que algo estava faltando em sua vida – e agora ela está indo para o Brasil para encontrá-lo. Mal sabe ela que sua chegada desencadeará uma série de eventos que mudarão o mundo da Mulher Maravilha para sempre.

Seu retorno foi profetizado, e com essa profecia vem a atenção exclusiva de deuses benevolentes de panteões além. O perigo espreita em cada esquina – mas este jovem herói está pronto para sua jornada? Descubra em uma edição de estreia que você absolutamente não pode perder!”

Senhor Milagre: A Fonte da Liberdade #1
  • Escrito por Brandon Easton
  • Arte por Fico Ossio
  • Capa de Yannick Paquette
  • Capa variante de Valentine De Landro

Este slideshow necessita de JavaScript.

Sinopse: “Saindo do Future State, o show do Senhor Milagre costumava ser o ingresso mais quente da cidade, seja você o flagrando no palco escapando de armadilhas perigosas ou nas ruas de Metrópolis matando os bandidos. O que Shilo Norman esqueceu é a primeira regra do showbiz e do super-heroísmo: sempre deixe-os querendo mais. Agora é hora de começar a mostrar ao mundo o que um homem milagroso pode fazer. Regra nº 2 do showbiz / super-herói: o tempo é tudo. Há um novo artista na cidade que quer tirar Senhor Milagre de seu pedestal e reivindicar seu famoso apelido! Shilo pode se livrar dessa armadilha?”

Stargirl Special Spring 
  • Escrito por Geoff Johns
  • Arte e capa de Todd Nauck
  • Capa variante de Mike McKone
  • Stargirl-SpringBreakSpecial-450-CMYK

Sinopse: “Os planos de férias de Primavera de Courtney Whitmore não são como os do seu colegial do ensino médio. Em vez de sair com amigos, ela está indo para uma aventura com seu padrasto, Pat Dugan, também conhecido como F.A.I.X.A., e se juntando com sua antiga equipe, os Sete Soldados da Vitória! Os soldados são forçados a se reunir novamente para descobrir o oitavo soldado secreto da vitória. Mas que outros segredos estão enterrados e o que tudo isso significa para o futuro de Courtney como Stargirl?”

Lendas do Cavaleiro das Trevas #1
  • Escrito por Darick Robertson
  • Arte e capa de Darick Robertson
  • Capa variante por David Marquez

Sinopse: “Um novo jogador entrou em cena em Gotham City e está vendendo produtos químicos mortais para os piores vilões da cidade: Mr. Freeze, o Pinguim e até mesmo o Coringa! Cabe ao Batman deter os vilões, rastrear o fornecedor e salvar Gotham City mais uma vez!”

Justice League: Last Ride #1
  • Escrito por Chip Zdarsky
  • Arte por Miguel Mendonça
  • Capa variante de Darick Robertson

Este slideshow necessita de JavaScript.

Sinopse: “Outrora o grupo mais poderoso do mundo, a Liga da Justiça foi destruída pela tragédia e pelo tempo, dissolvendo-se sob um véu de desconfiança e raiva. Agora, na véspera do maior julgamento de assassinato do universo, a Liga deve se reunir uma última vez … mas o Superman e o Batman podem enterrar o passado antes que os maiores vilões do cosmos os enterrem?”

Milestone Returns: Infinite Edition #0
  • Escrito por Reginald Hudlin
  • Arte de Dennys Cowan, Bill Sienkiewicz e outros
  • Capa por Dennys Cowan
  • Capa variante por John Romita Jr. e Klaus Janson

MILESTONE-RETURNS-0-1

Sinopse: “O novo quadrinho irá narrar os eventos do Big Bang: o protesto contra a brutalidade policial que deu errado que mudou a face da cidade de Dakota para sempre ao desencadear uma onda de superpoderes em sua população! Enquanto o mundo assiste, um adolescente intimidado se tornará o herói conhecido como Super-Choque, um cientista enquadrado irá fugir como a super arma Hardware e um alienígena encalhado encontrará uma jovem ambiciosa que transformará sua vida, e refará o par como o todo-poderoso Ícone e Foguete!”

Future State: Gotham #1
  • Escrito por Joshua Williamson e Dennis Culver
  • Arte por Giannis Milonogiannis
  • Capa de Yasmine Putri

Este slideshow necessita de JavaScript.

Sinopse: “O Capuz Vermelho deve escolher a justiça sobre sua família e aliados quando o corrupto Magistrado o convoca para trazer o novo Batman vivo ou morto! Apresentando todo o elenco dos populares títulos Future State Batman, esta nova série dá início ao próximo capítulo neste mundo proibitivo de amanhã, com uma narrativa brilhante e monocromática!”

Batman #108
  • Escrito por James Tynion IV
  • Arte e capa de Jorge Jimenez

Este slideshow necessita de JavaScript.

Sinopse: “Batman se disfarça para se infiltrar na gangue transhumanista conhecida como Unsanity Collective e aprender mais sobre sua aparição repentina em Gotham. E que planos nefastos Simon Saint tem para o sobrevivente do Dia de Arkham, Sean Mahoney? Como isso se conecta ao Magistrado?”

A celebração dos heróis asiáticos #1
  • Escrito por Gene Luen Yang, Ram V, Greg Pak, Alyssa Wong, Amy Chu, Minh Le, Dustin Nguyen e outros;
  • Arte por Marcus To, Bernard Chang, Dustin Nguyen, Marcio Takara, Trung Le Nguyen, Francis Manapul e outros;
  • Capa de Jim Lee;
  • Capa variante de Stanley Lau.

DCFestivalOfHeroes

Sinopse: “Pegue seu boba favorito e puxe uma cadeira até a mesa de dim sum enquanto celebramos o Mês da Herança Asiática com todos os seus personagens asiáticos favoritos de DC, antigos e novos! Junte-se a Cassandra Cain, Katana, Lanterna Verde Tai Pham, o Atom, Dana Tan (também conhecido como Batman Beyond), Arqueiro Vermelho, Lady Shiva, Damian Wayne e o clã al Ghul, Novo Super-Homem e muito mais à medida que apresentamos novos contos destes personagens de sua história emocionante! Além disso, o relacionamento de Cheshire Cat com Cheshire é revelado quando Shoes pede a Selina Kyle para tomá-la sob sua proteção como Cat Girl. E isso é só o começo!”

Batman/Mulher-Gato #6
  • Escrito Tom King
  • Arte e capa por Clay Mann
  • Capa variante de Jim Lee, Scott Williams e Travis Charest

BM-CTW-Cv6-CHAREST-var

Sinopse: “Conforme os mistérios se aprofundam, o mesmo acontece com os ressentimentos. Ao longo de sua vida, as ações da Mulher-Gato fizeram com que muitos próximos a ela duvidassem de suas motivações. Bruce Wayne, Fantasma e agora sua filha suspeitaram de seus acordos com o Coringa. E quando ela matou o velho palhaço, isso desencadeou a nona vida deste felino? Ou talvez tenha realmente acabado todos aqueles anos atrás, a primeira vez que Fantasmatirou seu sangue e Batman teve que enfrentar uma dura verdade. Há grandes revelações esperando para serem encontradas aqui na metade do caminho, nas palavras finais de Tom King e Clay Mann sobre o romance do Morcego e da Gata!”

Man-Bat #4
  • Escrito por Dave Wielgosz;
  • Arte por Sumit Kumar;
  • Capa de Kyle Hotz;
  • Capa variante de Kevin Nowlan.

MANBAT-Cv4

Sinopse: “É Batman contra Man-Bat na segunda rodada! Após um encontro desastroso com o Esquadrão Suicida, uma sessão de terapia com Arlequina e (mais uma) tentativa falhada de se curar, Langstrom foi finalmente localizado pelo Cavaleiro das Trevas! O único problema? O Espantalho chegou primeiro! O que o mestre do medo planeja fazer com um soro que literalmente cria monstros?”

DC Comics: Generations
  • Escrito por Dan Jurgens, Andy Schmidt e Robert Venditti
  • Arte por Ivan Reis, John Romita Jr., Kevin Nowlan, Bryan Hitch e outros
  • Capa de Ivan Reis e Joe Prado

DC-GENERATIONS

Sinopse: “Nesses contos, uma ameaça de proporções cósmicas ao mais novo (e mais antigo) universo da DC obriga um dos grupos mais incomuns de heróis já reunidos para enfrentar o inimigo mais misterioso que já encontraram. Junte-se ao Batman, Kamandi, Estelar, Sinestro, Gladiador Dourado, Doutora Luz e Aço, em sua missão para salvar o universo antes que o tempo acabe.”

Mulher-Maravilha #772
  • Escrito por Becky Cloonan e Michael W. Conrad
  • Arte e capa de Travis Moore
  • História backup escrita por Jordie Bellaire
  • Arte da história backup por Paulina Ganucheau
  • Capa variante de Joshua Middleton

Este slideshow necessita de JavaScript.

Sinopse: “A Mulher Maravilha pode ter superado as feras de Asgard por enquanto, mas nada a preparou para o que está por vir. O eu mais sombrio de Diana emergiu como um novo oponente, e ela precisará da ajuda de um aliado inesperado cuja conexão com o trovão inspirou muitos contos: Thor! Essa dupla de deusa e semideusa pode descobrir o que perturbou o equilíbrio das coisas? Ou eles estão condenados a deixar tudo, inclusive suas vidas, no campo de batalha? Descubra como esta narrativa nórdica continua!

E na história de backup que ocorre durante a juventude de nosso herói, Diana deve mergulhar nas profundezas dos oceanos de Themyscira para aprender mais sobre os misteriosos manuscritos que lhe foram deixados. Mal sabe ela, o que está por baixo tem muitos dentes e está morrendo de vontade de conhecê-la. Cuidado com os poderosos megalodons e seus apetites!”

Rorschach #8
  • Escrito por Tom King
  • Arte e capa de Jorge Fonés
  • Capa variante de Jim Cheung

RORSCHACH-Cv8-var

Sinopse: “À medida que o detetive se aprofunda no mistério por trás de Rorschach e seu ajudante, a história se torna não sobre o que eles queriam fazer, mas por que começaram seu caminho assassino. À medida que mais testemunhas surgem, a história da estranha Laura se revela. Os tempos difíceis a fizeram querer matar um candidato à presidência e ela se prejudicou muito ao revidar.”

Asa Noturna #80
  • Escrito por Tom Taylor
  • Arte de Bruno Redondo
  • Capa variante de Jamal Campbell

Este slideshow necessita de JavaScript.

Sinopse: “Dick Grayson sempre teve um grande coração. Desde proteger aqueles perseguidos por valentões em sua juventude, a combater o mal ao lado de Batman como Robin, a prometer sua riqueza recém-herdada para enriquecer Blüdhaven como Asa Noturna – sua bondade e generosidade sempre guiaram sua vida. Mas agora um novo vilão espreita os becos de Blüdhaven, removendo o coração dos mais vulneráveis ​​da cidade. Quem é esta nova ameaça aterrorizante chamada Heartless, e ele será capaz de resistir a arrancar o maior coração de toda Blüdhaven?”

The Flash #770
  • Escrito por Jeremy Adams
  • Arte por Jack Herbert e Brandon Peterson
  • Capa de Brandon Peterson
  • Capa variante de Brett Booth

Este slideshow necessita de JavaScript.

Sinopse: “Nos campos de batalha da Segunda Guerra Mundial, Wally West continua sua busca por um caminho para casa. À medida que o Flash fica cara a cara com o próprio Führer, os amigos de Wally nos dias atuais procuram uma maneira de trazê-lo de volta e uma resposta para o porquê de ele estar pulando de velocista em velocista ao longo do tempo.”

Sensational Wonder Woman #3
  • Escrito por Colleen Doran e Alyssan Wong
  • Arte por Colleen Doran e Eleonora Carlini
  • Capa de Colleen Doran
  • Capa de variante de Marguerite Sauvage

SWW-Cv3

Sinopse: “Em um conto escrito e ilustrado pela lenda dos quadrinhos Colleen Doran, a Mulher Maravilha enfrenta seu inimigo mais implacável: um especialista em marketing que venderia seus Louboutins pela chance de gerenciar a Amazing Amazon! A Mulher Maravilha consegue escapar de seus arremessos mais persistentes? 

Também nesta edição, não é uma festa de gala de Gotham City sem uma visita do mais vil do mundo! É uma coisa boa a Mulher Maravilha estar na lista de convidados, porque Bruce Wayne tem uma identidade secreta para manter!”


Quer receber mais conteúdos como este? Nos ajude a manter o site sempre atualizado!

Uma vez
Mensal
Anualmente

Faça uma contribuição única

Faça uma contribuição mensal

Faça uma contribuição anual

Escolha um valor:

R$5,00
R$30,00
R$100,00
R$5,00
R$30,00
R$100,00
R$5,00
R$30,00
R$100,00

Ou insira uma quantia personalizada:

R$

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

ContribuirContribuirContribuir
Anúncios

Robin Wright diz que participaria do spin-off das Amazonas

Atriz é Antíope nos filmes da Mulher-Maravilha.


A franquia da Mulher-Maravilha ainda está com um planejamento de mais um filme para Diana, e também um spin-off das Amazonas. Vimos um pequeno relance em Mulher-Maravilha 1984, preparando terreno para o futuro filme que teria Patty Jenkins como uma das produtoras. Em entrevista recente ao Rotten Tomatoes, a atriz Robin Wright disse que participaria do filme, reprisando seu antigo papel.

Anúncios

“Oh, eu faria isso em um segundo se isso algum dia se concretizasse. Foi muito divertido fazer aqueles filmes. É uma ótima ideia – toda a juventude de Diana. Você deveria propor isso. Vamos fazer um filme das Amazonas!”, disse a atriz.

Robin Wright parece abraçar a ideia de um derivado das Amazonas, um filme que poderia explorar e dar novos olhares para Themyscera. Mulher-Maravilha (2017) já explorou bastante em seu primeiro ato, e em Mulher-Maravilha 1984 vimos as olimpíadas da ilha. No spin-off, poderíamos ver uma exploração maior e a dinâmica entre a rainha Hipólita (Connie Nielsen) e Antíope

Em novembro passado, Patty Jenkins disse que os acontecimentos do filme se passam após a saída de Diana da ilha, e que “haverá algumas reviravoltas relacionadas ao que acontecerá entre a Mulher-Maravilha 1984 e a Mulher-Maravilha 3″. 

A personagem de Wright morre defendendo a ilha na invasão a Themyscera no primeiro filme, e a personagem aparece em um flashback no começo de Mulher-Maravilha 1984. Ela é retratada como a guerreira mais hábil da ilha.

O roteiro do filme será de Patty Jenkins e Geoff Johns. Não há mais detalhes do filme.


Aproveite:

Mulher-Maravilha: Terra Um Vol. 1 com 46% de desconto na Amazon. Para comprar, clique aqui! Você também pode levar o segundo volume do quadrinho com 35% de desconto. Clique e confira.


Quer receber mais conteúdos como este? Nos ajude a manter o site sempre atualizado!

Uma vez
Mensal
Anualmente

Faça uma contribuição única

Faça uma contribuição mensal

Faça uma contribuição anual

Escolha um valor:

R$5,00
R$30,00
R$100,00
R$5,00
R$30,00
R$100,00
R$5,00
R$30,00
R$100,00

Ou insira uma quantia personalizada:

R$

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

ContribuirContribuirContribuir
Anúncios

Review: Future State | Mulher-Maravilha #2 (2021)

Yara Flor vai ao submundo em nova edição.


A segunda edição de Mulher-Maravilha no Future State traz novamente Yara Flor, agora no submundo grego. Com o final do primeiro quadrinho mostrando a personagem a caminho de Caronte, para levá-la ao Tártaro. Dessa vez, Yara precisava resgatar Potira, uma amazona brasileira que foi morreu em uma batalha na ilha de Themyscera, e foi jogada ao Hades.

Anúncios

Joelle Jones ainda continua seguindo um padrão de misturar culturas, mesclando o folclore brasileiro com a mitologia grega. A escritora acerta mais uma vez na dinâmica, e explora um pouco mais de tudo. Mesmo que Yara Flor seja a nova Mulher-Maravilha, muitos ainda não sabem que ela é uma amazona dissidente, da cidade de Bana-Mighdall. As discordâncias por parte das amazonas de Themyscera e Bana-Mighdall eram grandes, após a invasão de Hércules e seu exército, destruindo Themyscera e subjugando as amazonas. Não foi mostrado ainda uma relação entre Themyscera e Bana-Mighdall, sendo uma boa oportunidade para trazer à tona o passado.

702046e0-704c-4d13-b7e5-bf41207d2e54

A premissa se baseia em salvar Potira do submundo, um plano suicida. Mesmo que Yara não tenha mantido tanto contato nos eventos da invasão na ilha, ela ainda nutre um sentimento de fracasso, sentindo que poderia tê-la salvado. Desafiando Hades e outros seres mitológicos, Yara vai em busca de sua irmã amazona, tendo um tempo limitado para realizar tal tarefa. Não queria falhar novamente, mas isso caberia ao deus do submundo, tentar atrapalhar seu resgate. O final, não posso contar.

Nesta nova edição, há uma maior utilização da mitologia grega do que do folclore brasileiro. Joelle Jones, além de escrever, é a artista da HQ, acertando nos visuais dos seres mitológicos mais uma vez. O ambiente, também deve ser elogiado, assim como a coloração de Jordie Bellaire, alternando entre cores escuras e claras, que representam muito bem o medo e a paz.

336eba33-bc97-48ea-a12a-5a0824356bc9

Mulher-Maravilha #2, do Future State, eleva ainda mais a importância da personagem para a fase atual. Explorando novas histórias e oportunidades, a equipe criativa da minissérie equaliza a velha mitologia grega com o folclore brasileiro. Com uma boa trama em sua segunda edição, o título da Mulher-Maravilha da Yara Flor se torna um dos melhores do Future State.

671428a69432e7ed9fdf2b6b16b5d285


Quer receber mais conteúdos como este? Nos ajude a manter o site sempre atualizado!

Uma vez
Mensal
Anualmente

Faça uma contribuição única

Faça uma contribuição mensal

Faça uma contribuição anual

Escolha um valor:

R$5,00
R$30,00
R$100,00
R$5,00
R$30,00
R$100,00
R$5,00
R$30,00
R$100,00

Ou insira uma quantia personalizada:

R$

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

ContribuirContribuirContribuir
Anúncios

CW descarta série da Yara Flor como Moça-Maravilha

A Mulher-Maravilha brasileira do Future State está fora dos planos.


Anunciada ainda no ano passado pela CW, a série da Mulher-Maravilha brasileira do Future State, Yara Flor, foi cancelada pelo canal sem ao menos ter estreado. A notícia foi revelada pela roteirista da série Dailyn Rodriguez através de seu Twitter.

Anúncios

“Então, algumas notícias tristes. Para todos aqueles que perguntam,  Moça-Maravilha não está foi aprovada na CW. Fiquei muito orgulhosa do roteiro que escrevi. Gostaria de ter compartilhado o mundo que criei, mas infelizmente não era para ser. Obrigada pelo entusiasmo de todos. Significou muito para mim”, escreveu a roteirista.

A série iria acompanhar as aventuras de Yara Flor como a Moça-Maravilha no Arrowverse. Nascida de uma guerreira amazona e de um deus brasileiro do rio, Yara iria descobrir suas origens e usar suas habilidades para combater o crime. O show teria produção de Greg Berlanti, ao lado de Marc Guggenheim, responsáveis pelo Arrowverse.

Yara Flor foi criada por Joelle Jones para o Future State, novo evento da DC nos quadrinhos. Ela ganhará um título mensal na nova fase da DC, Infinite Frontier, com data prevista para publicação em maio.


Quer receber mais conteúdos como este? Nos ajude a manter o site sempre atualizado!

Uma vez
Mensal
Anualmente

Faça uma contribuição única

Faça uma contribuição mensal

Faça uma contribuição anual

Escolha um valor:

R$5,00
R$30,00
R$100,00
R$5,00
R$30,00
R$100,00
R$5,00
R$30,00
R$100,00

Ou insira uma quantia personalizada:

R$

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

ContribuirContribuirContribuir
Anúncios

Review: Future State | Superman/Mulher-Maravilha #1 (2021)

Nunca atire na Mulher-Maravilha.


Yara Flor chegou com tudo mesmo no Future State, e em mais um quadrinho, ela rouba todas as cenas e ofusca o Superman de Jon Kent. Fazendo dupla com o filho do Superman original em Superman/Mulher-Maravilha, Yara Flor quebra as barreiras da paciência e fala o que todo brasileiro deseja falar com um político.

Anúncios

A primeira edição, que tem o roteiro de Dan Watters e arte de Leila del Duca, remonta uma nova dupla de heróis no Universo DC, o novo Superman e a Mulher-Maravilha brasileira. Enquanto um luta por uma cidade e segue os passos do pai, Yara Flor busca, incessantemente, mudar a mente dos políticos, para que cumpram o que prometeram, e não fugindo de seu trabalho. Ela luta pela igualdade, justiça, e também, contra corruptos que assolam São Paulo e o Brasil.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Posso afirmar que a Mulher-Maravilha é a parte positiva do quadrinho, e ela já é conhecida pelos brasileiros. Toda sua dinâmica, sua personalidade explosiva, está sendo muito bem explorada, assim como a mitologia brasileira e o folclore – que dessa vez mostrou a mula sem cabeça e os deuses do sol e lua. Porém, apesar do grande acerto que foi a Yara, o erro está em Jon Kent, que não consegue ser como seu pai. Carregar o símbolo da Casa-El no peito, não quer dizer que irá carregar a essência do Superman também, e ele consegue ser infantil algumas poucas vezes, que podem deixar o leitor um pouco frustrado com sua personalidade mais inocente.

O roteiro simples, carrega uma história de um deus do sol, combatendo Solaris, famoso inimigo devorador de sóis. Solaris é a ameaça da HQ, mas que, aparentemente, não apresenta ser uma grande ameaça em sua primeira aparição, sendo rebaixado a uma disputa de força. É claro que, o vilão se tornará mais ameaçador numa próxima edição, mas, que não o inflem e façam uma luta justa e épica do Superman e da Mulher-Maravilha contra o Sol Tirano.

Future-State-Superman-Wonder-Woman-2021-2021-001-011-e1610485806631

Como sempre, gosto de elogiar a arte do quadrinho. Os traços, tanto dos personagens quanto da cidade, superfície espacial e outras, estão padronizadas para o evento. O uso de cores mais vivas e quentes, denotam toda a grandeza que o Superman tem, além da Mulher-Maravilha, e não foi visto tanto o uso de cores mais escuras.

Em resumo, Superman/Mulher-Maravilha #1, mostra os dois grandes heróis e novos símbolos da DC unindo forças para derrotar uma grande ameça futura. Em momentos gloriosos, a HQ abrasileira ainda mais a Yara Flor e abraça seu espírito jovem e destemido, ofuscando um Superman de Jon Kent abaixo da expectativa, inocente e com muito a aprender.

large-6378363


Quer receber mais conteúdos como este? Nos ajude a manter o site sempre atualizado!

Uma vez
Mensal
Anualmente

Faça uma contribuição única

Faça uma contribuição mensal

Faça uma contribuição anual

Escolha um valor:

R$5,00
R$30,00
R$100,00
R$5,00
R$30,00
R$100,00
R$5,00
R$30,00
R$100,00

Ou insira uma quantia personalizada:

R$

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

ContribuirContribuirContribuir
Anúncios

Review: Future State | Immortal Wonder Woman #1 (2021)

O futuro catastrófico e o preço da imortalidade.


Enquanto Yara Flor já fez sucesso em sua primeira edição no Future State, ela não é a única Mulher-Maravilha presente no evento, sendo acompanhada por Diana e Nubia. Separando as linhas do tempo de cada uma, Immortal Wonder Woman traz a Diana os eventos pós Death Metal, em um planeta sem vida, e uma princesa refletindo o preço que pagou por ser imortal.

Anúncios

Na primeira edição da minissérie Immortal Wonder Woman, Diana se encontra num futuro distópico, onde não há mais a Liga da Justiça, Batman está morto e o Superman envelhecido. Enquanto tem um trabalho de tentar salvar o Verde e a Terra, Diana se encontra sentida por ter o peso da imortalidade, e ver todos os seus amigos morrerem.

d34f9072-ecc6-4cf2-967a-aa74fbe6977a
“Você sempre foi o nosso coração, e isso é o que há de mais maravilhoso em você”

Por outro lado dela querer salvar todo o planeta, as amazonas não dão tanta ênfase. Após a destruição de Nova Gênese por criaturas misteriosas, Apokolips foi dominada sem que Darkseid interferisse. O intuito do lorde de Apokolips agora, é dominar o que restou da Terra, já que nunca conseguiu, de fato, conquistar enquanto a Liga da Justiça ainda estava na ativa. Michael W. Conrad e Becky Cloonan acertaram em cheio na personalidade de Diana, tão apegada à Liga da Justiça quanto qualquer outro herói, sentindo o que é a solidão, algumas vezes

future-state-immortal-wonder-woman-utility-belt-2-1253200

A história de Núbia, apesar de não deixar tão claro o que pretende, se conecta no presente, com a vilã Cálice roubando peças para liberar males antigos. Para quem ainda não sabe, Cálice é filha de Darkseid, nascendo de uma assassina amazona. Ou seja, a meta de Cálice no presente e sua possível conquista, pode ser o que afeta o futuro e Darkseid subjugando a Terra.

DC-Future-Immortal-Wonder-Woman-1-spoilers-4-Nubia-300x461

Deixando de lado a história dos dois arcos, é válido elogiar a arte do quadrinho, mas ainda assim, não é tão superior ao DC Rebirth, que eu considero melhor. É claro que, eventos diferentes exigem abordagens diferentes, e no Future State, a arte busca o mais simples, com cores mais vivas em alguns aspectos e escuras em outros. 

Immortal Wonder Woman #1, no geral, entrega uma premissa interessante, conectando duas histórias, três amazonas e o possível fim dos tempos, relatando a importância de ser a Mulher-Maravilha e o legado que possui, sendo o coração de todos os outros super-heróis do evento. Estou realmente ansioso por ver o caminhar da história e o desfecho de tudo.

immortal-wonder-woman


Quer receber mais conteúdos como este? Nos ajude a manter o site sempre atualizado!

Uma vez
Mensal
Anualmente

Faça uma contribuição única

Faça uma contribuição mensal

Faça uma contribuição anual

Escolha um valor:

R$5,00
R$30,00
R$100,00
R$5,00
R$30,00
R$100,00
R$5,00
R$30,00
R$100,00

Ou insira uma quantia personalizada:

R$

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

ContribuirContribuirContribuir
Anúncios

Crítica: Mulher-Maravilha 1984

Alerta: SPOILERS! Desça e leia por sua conta e risco.


Uma era de maravilhas vai começar.


O sucesso estrondoso de Mulher-Maravilha (2017), fez com que a Warner Bros. pensasse em produzir uma sequência, agora em maior escala e com mais tempo. E então, Patty Jenkins, junto com Gal Gadot, mergulharam de cabeça em Mulher-Maravilha 1984, a sequência tão esperada pelos fãs, que conta com um elenco de peso e um dos melhores compositores do cinema mundial. Afinal, após tantos adiamentos, valeu toda a espera de ver o filme no cinema?

Mulher-Maravilha 1984 abre uma nova fase para a DC Comics, explorando ainda mais a mitologia da maior heroína de todos os tempos, em um patamar maior, trazendo novos vilões e antigos valores a serem adquiridos novamente pela humanidade: esperança, empatia e amor. Diana foi criada para isso. E com 2020 sendo um ano divisório para a sociedade, conturbado por conta da pandemia, cheio de ódio, brigas políticas e um momento devastador, o qual a humanidade viu que só a união poderia ser a força necessária para salvar muitas pessoas, Mulher-Maravilha 1984 tenta trazer essa mensagem de empatia, amor e verdade, sendo o filme que 2020 precisava.

Wonder-Woman-1984-Photos

Diana passou quase 70 anos recordando dos bons momentos com Steve Trevor (Chris Pine), sua paixão e herói na Primeira Guerra Mundial e viu seus amigos ao redor envelhecerem. Atuando como Mulher-Maravilha durante todo esse tempo, mas fugindo dos holofotes e das câmeras, agora presentes na nova era de 1984, Diana Prince trabalha no Museu Smithsonian de História Natural, em Washington. Crescendo em sabedoria, a Princesa das Amazonas agora está cercada de uma nova tecnologia em meio a Guerra Fria, que já se encontrava em sua derrocada, com a União Soviética sofrendo uma crise econômica e estando atrás de diversas novas potências. À medida em que o mundo se desenvolve tecnologicamente, Diana aprende junto com ele, crescendo em sabedoria e nunca perdendo a fé na humanidade, mesmo que a humanidade perca nela própria.

Um novo “magnata” estava surgindo nos Estados Unidos, querendo pensar grande e ser grande. Maxwell Lord (Pedro Pascal), dono da Black Gold, ansiava em ser o homem mais poderoso do mundo ao garantir várias reserva de petróleo por todo o país americano. É claro que não seria uma tarefa fácil, já que um egípcio era o “homem do petróleo”, enquanto Lord era conhecido por ser o “homem da TV”. Em um outro lado da cidade, havia uma nova arqueóloga e geologista Barbara Minerva, que desempenhava várias outras funções, e por acaso, começou a trabalhar com Diana no Museu Smithsonian. Enquanto uma era forte, linda e sábia, a outra era desajeitada e desastrada, porém brilhante, algo que Diana viu nela. E por algum acaso, uma pedra aparentemente inofensiva, entrelaçou o destino dos três, Lord, Diana e Barbara.

Chetaah-MaxLord

Para os leitores de quadrinhos, vagamente podemos lembrar do período em que George Pérez esteve a frente da Mulher-Maravilha no pós-crise, em que ele utilizou o período da Guerra Fria para construir a nova origem de Diana e o plano de Ares. Outros se lembrarão da velha Diana dos anos 40, criada por William Moulton Marston, em que sua única perspectiva sobre o mundo dos homens era salvá-lo de destruir a si mesmo. Além de se inspirar em velhas e novas histórias, Patty Jenkins também faz com que 1984 seja a data do filme, relembrando o livro de George Orwell, que retrata um futuro distópico, onde o Estado tem total controle sobre o povo, difundindo as ideias de manipulação, alienação, guerra e também o amor. Mulher-Maravilha 1984 utiliza destas ideias para construir sua narrativa, tornando os quatro personagens da trama personificações de sentimentos e emoções. Enquanto Diana é a esperança, Lord é a ganância de sempre querer mais e Barbara é a inveja. Já o papel de Steve Trevor serve como um farol para Diana não se perder totalmente em seu amor pelo piloto, mantendo sua imparcialidade e visão de que ele não deve ser o foco, e sim, o mundo.

Desenrolando para lá e para cá, a Pedra dos Desejos é algo muito além da compreensão humana, em que o vilão do filme precisa para mostrar ao mundo que ele seria o mais poderoso. Deixando se levar por isso e pelo coração, Diana tinha um único desejo: ter Steve Trevor de volta. Mas a que custo? Diferentemente dela, Minerva, a menina atrapalhada, desejou ser, literalmente, que nem a Diana. Tudo o que desejaram, receberam, e Lord não poderia ficar mais satisfeito com o colapso mundial em andamento.

Este slideshow necessita de JavaScript.

E falando sobre Trevor, a volta dele era um mistério e não percebo outra maneira dele ter voltado como foi mostrado no filme. Mesmo que essa crítica tenha um spoiler ou outro, não irei revelar como o personagem volta, muito menos tudo o que acontece. Posso dizer que a forma como o mesmo retornou, me agradou muito mais do que ver o Superman sendo ressuscitado por uma Caixa Materna – o que eu acho sem fundamento nenhum, visto o final de Batman vs Superman. Diana agora entra em um dilema: renunciar seu desejo e salvar o mundo novamente ou tentar salvar, mesmo que fique sem poderes e mantenha Steve para sempre ao seu lado? Vale salientar a inversão de papel para com o primeiro filme, em que Trevor apresenta o Patriarcado para Diana. Nesta sequência, a guerreira amazona fica encarregada deste trabalho, mostrando o período oitentista, as novas fases e o avanço tecnológico que o mundo veio a sofrer – ou ganhar.

Entre um primeiro ato de apresentações, o segundo ato do longa começa a explicar com mais profundidade o enredo. Os planos de Lord eram muito maiores do que poderia se imaginar. Na crescente trilha sonora de Hans Zimmer, Open Road, Diana e Steve caçam Lord até no Egito, onde a heroína vê que seus poderes estavam se perdendo e ela, nesse ritmo, viraria uma humana sem poderes. A cena da perseguição na estrada, é um dos pontos mais sólidos do longa-metragem, que consegue desenvolver Steve e Diana lutando lado a lado novamente. O CGI usado nessa cena de ação, em apenas dois pontos específicos, ficou claramente estranho, mas não é algo que tire sua experiência e nem válido para abaixar a nota desta crítica. Literalmente, após ver a sequência de ação, me recordei um pouco da perseguição da polícia contra o Batman em Batman Begins e Cavaleiro das Trevas Ressurge. É muito satisfatório vê-la salvando crianças, saltando alto e usando o laço para desviar uma bala para Trevor.

Wonder-Woman-1984-Egypt-Scene

Saindo do roteiro e colocando em pauta a atuação do elenco, posso afirmar que Gal Gadot, Chris Pine, Kristen Wiig e Pedro Pascal brilharam, mas meu destaque fica para Pascal, que incorporou o personagem muito bem, tornando-o um canastrão dos anos 80. As duplas do bem e do mal funcionaram em equilíbrio, e o carisma gigante de Gadot tornou ainda mais espetacular o filme. Foi fundamental ver o impacto que Steve Trevor faz na vida de Diana, sendo o porto seguro da heroína. Percebe-se a entrega da atriz para com sua personagem e concluo que ela nasceu para interpretar a Mulher-Maravilha, assim como Lynda Carter. Até mesmo em expressões faciais, as duas estrelas fizeram bem.

The-Inspiration-for-Wonder-Woman-1984s-Max-Lord-Is-Scarily-on-Par-With-2020

Os detalhes técnicos como os efeitos visuais, coreografias de ação, figurino, ambientação e trilha sonora, são os pontos mais fortes da obra de Patty Jenkins, que usou um pouco mais de CGI do que o primeiro filme, que foi mais utilizado na luta contra Ares. A crescente e estrondosa trilha de Hans Zimmer, que foi feita mesmo para um filme dos anos 80, tenta passar o ar de aventura e heroísmo, como Superman: O Filme passou em 1978. É clara a inspiração na obra de Richard Donner, que tentou brincar um pouco com os créditos iniciais e finais. 

Assim como a trilha sonora, os efeitos visuais estão bons, mesmo que muitos tenham duvidado do visual da Mulher-Leopardo. As duas transformações dela, sendo a última a Mulher-Leopardo, de fato, foram bem colocadas e trabalhadas na produção. Gostei bastante de como conseguiram representar os anos 80 numa produção de quase 40 anos à frente. Seria injusto não ver indicação ao Oscar para a categoria de figurino, pois, o fizeram perfeitamente. Eu realmente me senti nos anos 80 e foi isso que o filme quis passar para o público, a confortabilidade de 1984, os novos desafios e a cultura da época. Até mesmo aos pequenos detalhes, a produção resolveu dar atenção. Aliás, o traje dourado é algo esplêndido e fiquei com aquele gostinho de “quero mais”, uma situação que poderá ser explorada no último filme.

Este slideshow necessita de JavaScript.

A dinâmica do filme funciona, trazendo leveza, diversão e seriedade nos momentos perfeitos, sem piadas fora de hora e exageradas. A atmosfera de uma aventura estilo Indiana Jones e Superman, fez de Mulher-Maravilha 1984 ser tão bom quanto, em sua estética e mensagem positiva que transmitiu para uma humanidade dividida, desacredita da verdade e cheia de politicagem e ódio. E parece que dessa vez, só a verdade pôde salvar o mundo.


Veredito

Mulher-Maravilha 1984 brilha em 2020, sendo um dos melhores filmes do ano, relembrando que, até mesmo uma heroína deseja amar como nós. Leve, solto e divertido, se aprofundando ainda mais na mitologia de Diana Prince, Patty Jenkins usa e abusa de cores mais vivas comparado ao primeiro filme. A DC não teve medo de querer algo em grande escala, muito maior do que o esperado pelos fãs e reuniu um grande elenco, que atuou de forma sólida e incrível, sendo o destaque o ator Pedro Pascal. 

O roteiro bem amarrado, não confunde em algum momento os espectadores, caso prestem bastante atenção ao filme. Há, sim, uma ótima consistência no filme, com pouquíssimos pontos negativos a serem levantados e em sua maioria, os pontos positivos se dão mais aos detalhes técnicos de produção. Com certeza, valeu esperar pela sequência e a DC se encaminha para um novo rumo nos cinemas. Cheio de esperança e com um grande coração, Mulher-Maravilha 1984 envolve alguns assuntos discutidos nos últimos anos, usando apenas três palavras para passar sua mensagem ao público: esperança, união e verdade, tudo o que nossa maior heroína representa.

10/10.


Quer receber mais conteúdos como este? Nos ajude a manter o site sempre atualizado!

Uma vez
Mensal
Anualmente

Fazer uma contribuição uma única vez

Fazer uma contribuição mensal

Fazer uma contribuição anual

Escolha um valor:

R$5,00
R$30,00
R$100,00
R$5,00
R$30,00
R$100,00
R$5,00
R$30,00
R$100,00

Ou digite um valor personalizado:

R$

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

Agradecemos sua contribuição.

ContribuirContribuirContribuir
Anúncios