Arquivo da tag: Aves de Rapina

Aves de Rapina encerra suas exibições e gera prejuízo para a Warner Bros

Aves de Rapina: Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa encerrou suas exibições nos cinemas mundias ainda ontem (18), mas causando prejuízo aos cofres da Warner Bros, assim como ocorreu em Liga da Justiça (2017).

O novo filme da DC Comics arrecadou pouco mais de US$ 199 milhões, com US$ 84 milhões na bilheteria doméstica e US$ 115 milhões pelo resto do mundo, mesmo com as críticas positivas em torno do filme. Para que não houvesse prejuízo para a empresa, o longa precisaria fazer US$ 250 milhões.

Nem o orçamento, relativamente baixo, que não passou dos US$ 90 milhões, foi capaz de salvar a Warner ter sido prejudicada em US$ 50 milhões. Vale lembrar que Aves de Rapina, por exemplo, não entrou em cartaz em alguns países asiáticos devido a ascensão da Novo Coronavírus (Covid-19), na China. Também ficou de fora de alguns países europeus, que suspenderam as sessões de cinema por conta da doença.

Para acelerar o processo por conta do Coronavírus, a Warner Bros antecipou a chegada do filme em formato digital, ficando para 24 de março.  A pré-venda nos Estados Unidos já começou.

 

Crítica: Aves de Rapina: Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa

Aviso: Crítica sem spoilers!


Que filme fantabuloso!


Depois do desastroso Esquadrão Suicida, a DC fez questão de tentar enterrar o filme e fazer com que os fãs o deixassem em esquecimento. Mesmo com defeitos, o filme teve um ponto positivo que a editora fez questão de salvar. Seu nome? Arlequina.

Com isso, a nova aposta da editora foi fazer um filme especialmente para a vilã, tentando desvencilhar da ideia do Esquadrão e do Coringa esquecível de Jared Leto. Boa parte dos fãs queriam que ele fosse esquecido, mas que Margot Robbie não. Cathy Yan, então, entrou na jogada após a roteirista Christina Hodson apresentar seu trabalho. Seria mais um filme de heróis dirigido por uma mulher. Claro que, um filme somente da Arlequina seria talvez uma loucura, justo por ela ser uma vilã. Mas, a ideia foi intrometer as heroínas junto dela, unidas uma a outra, criando a primeira equipe estritamente feminina de heróis nos cinemas.

Em Aves de Rapina, a Arlequina é, tanto narradora quanto a protagonista do filme. É realmente um filme sobre ela, já que no título diz “Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa”. Ela procurava por emancipação, e seria do Coringa, após supostamente ter rompido relacionamentos com com o Príncipe Palhaço do Crime. Com isso, ela estaria livre para fazer o que quiser, sem que alguém estivesse a controlando. Entretanto, não era só a mulher que amava o Bobo do Genocídio que procurava isso, mas sim, mais três queriam liberdade. Uma detetive, uma justiceira e uma cantora. Todas queriam, ou se livrar das formas de abuso, ou procurar se libertar de um trauma.

Os flashbacks foram o ponto focal do primeiro ato, que pareceu bagunçado, mas, ao longo do filme, foi tudo se alinhando e formando a arte final. Ao meio de que Harley explicava sua situação diante da solidão presente, ela trombava com as outras protagonistas, relatando suas origens ou quem de fato são. O enredo moldou cada passo de todos os personagens, conseguindo unir os interesses de querer derrubar o vilão, Máscara Negra (Ewan McGregor).

Além da brilhante Arlequina, há ainda mais mulheres querendo emancipação, como dito no terceiro parágrafo. Renee Montoya (Rosie Perez), é uma detetive muito aplicada, que costuma sempre resolver os crimes. Ela não ganha seu crédito, passando tudo para seu antigo parceiro, que foi promovido para capitão. A Canário Negro (Jurnee Smollett-Bell), é cantora do clube do Sionis, no qual ela é intocável para o vilão, sendo um objeto apenas dele. Já a Caçadora (Mary Elizabeth Winstead), teve sua origem contada no filme, que parece ter pulado dos quadrinhos. Cassandra Cain (Ella Jay Basco) foi quem uniu a equipe, ou pelo menos três das quatro personagens. Num resumo rápido, Cain é uma menina pobre, que vive no mesmo prédio que Dinah Lance, e sai para roubar nas ruas, com sua habilidade em furtividade. Num momento ingênuo, ela rouba Victor Zsasz (Chris Messina), que estava encarregado de pegar o diamante para seu chefe, Roman Sionis.

O segundo ato já começa a desenrolar a história, conectando os relatos de Harley sobre as outras mulheres. As aparições da Caçadora por fora, buscando vingança de todos que mataram sua família, faz uma sub-trama muito interessante, e consegue se encaixar na trama principal. Assim como a Renee Montoya, que se interliga a cenas de assassinatos causadas pela Caçadora. Não demorou muito para as cenas de ação entrarem em prática, sendo tão memoráveis e divertidas quando vemos pelos olhos da Arlequina. A sequência da delegacia é, com certeza, a melhor de ação do longa, contando com uma trilha sonora marcante e uma fotografia invejável. A Rainha de Gotham explora seus métodos de combate com o uso de utensílios, arma e bastão para salvar a pele de Cassandra Cain, a qual o Máscara Negra estava atrás. Até pacote de cocaína voou.

Já que o Sionis foi mencionado, é preciso parar pra falar da incrível atuação de Ewan McGregor. Roman Sionis não passa apenas de um mafioso de primeira classe, mas um vilão quase terciário na galeria do Batman. Sionis vem de uma família rica de Gotham, que foi deixado de lado após fracassar na empresa de cosméticos do pai. Com isso, ele começou a carreira no mundo do crime com a herança que lhe foi deixada. O sadismo, os requintes de crueldade e desejo alheio das coisas o tornam ainda mais amedrontador, quando ao mesmo tempo, ele consegue ser carismático e tenta ser extrovertido. Victor Zsasz é o outro lado da moeda, pois é ele quem mata para o Sionis. Ambos tem uma grande conexão de ver o sangue escorrer. O conflito interno de Roman ao colocar a máscara, e o desejo de ter tudo na mão e um outro ponto positivo no vilão.

Encaminhando para o terceiro ato, o filme R-Rated da DC faz belas e memoráveis cenas de ação, coreografadas de forma espetacular. Sionis decide matar todas que estivessem ao lado de Harley, sem piedade, para caçar o diamante. As belas lutas que, sejam elas em conjunto ou individuais, fazem o filme ter um espetáculo de coreografia. A Caçadora, em especial, tem incríveis cenas com a besta e na Casa dos Horrores, palco da luta final. Mesmo com o tempo de tela curto, Helena rouba todas as cenas em que aparece, assim como a Canário quando se trata de lutar. A sequência de ação da Arlequina consegue ser as melhores do filme, explorando suas habilidades de ginasta e com patins. Aliás, por que não tivemos cenas de luta com patins e o martelo dela antes?

A estética de Aves de Rapina, em um todo, consegue ser perfeita para a proposta do filme. O longa não passa uma lição de moral perceptiva como alguns outros. Porém, o título fala por si só: “Emancipação”. Se libertar de algum tipo de abuso, seja ele físico, psicológico ou mesmo no trabalho, sem reconhecimento de seus feitos. O figurino, que remete até os anos 80 – caso da Canário Negro – é, de fato, um dos pontos positivos do filme, tanto a roupagem estilista de Sionis, quanto as novas formas da Arlequina mostrar sua persona.

Não só o figurino, mas a trilha sonora, com músicas inéditas tão boas quanto Esquadrão Suicida. Cathy Yan, também acerta num visual deslumbrante de Gotham, mostrando ela tanto ao dia, quanto a noite, e o quão ela pode ser sombria em certos momentos do filme. A pura diversão de Aves de Rapina se destaca como nenhum outro filme de herói, mas claro, tendo momentos de seriedade e muita brutalidade.


Veredito

Aves de Rapina: Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa relembra as histórias de Mad Love, de Paul Dini e Bruce Timm, trazendo uma Arlequina sozinha no mundo, independente do Coringa. A energia de Margot Robbie é contagiante aos ombros da personagem, que é protagonista em todo o filme. Ela nasceu para interpretar a Quinn. Jurnee, Mary Elizabeth e Rosie Perez, são coadjuvantes memoráveis, que conseguem garantir seu espaço ao decorrer do filme. Não só as heroínas, mas os vilões de Chris Messina e Ewan McGregor fazem jus aos quadrinhos. Principalmente Ewan, numa forma excepcional, se entrega para interpretar um Máscara Negra digno.

Embora o começo seja confuso, o encaixe final amarra tudo, sem deixar pontas soltas, mantendo a atenção do espectador, equilibrando diversão com ação e drama. A DC não teve medo de abraçar a ideia de fazer uma Arlequina sem amarras, um filme colorido e divertido pelos 109 minutos que parecem passar rápido. Os trailers não entregam em nada o filme. Com Aves de Rapina, a DC caminha para novos horizontes, podendo ter spin-offs, expandindo ainda mais seu universo nos cinemas.

8,5/10.

Aves de Rapina| Reações da crítica inglesa são extremamente positivas

Com as primeiras reações no México sendo positivas, a imprensa inglesa pôde desfrutar do filme de Arlequina e sua gangue emancipada. A Premiere de Aves de Rapina ocorreu ontem (29), em Londres, e muitos fãs foram prestigiar, recebendo o carinho de Margot Robbie, Mary Elizabeth Winstead, Jurnee Smollett-Bell e as demais atrizes, diretora e a produção do filme. Confira algumas reações abaixo:

“#AvesDeRapina é muito divertido e violento ao extremo. As protagonistas são ótimas e totalmente diferentes uma das outras. Ewan McGregor interpreta um Máscara Negra que é tão sinistro quanto hilário.” – Brandon Davis, Comic Book.

“Acabei de assistir #AvesdeRapina e posso dizer que é meu filme favorito do DCEU. Assim como Shazam, consegue encontrar seu espaço, estética e tom completamente únicos e distintos, além das grandes cenas de ação de Ewan e o restante do elenco estão 100% fantabulosos. Por que antes desse filme nunca tivemos grandes cenas de ação com patins?” – Mike Rougeau, Editor-Gerente de Entretenimento da Game Spot.

“#AvesdeRapina é uma loucura – cheio de atitude e algumas das mais inventivas, esmagadoras de ossos sequências de lutas no gênero de super-herói até hoje. Entrei com poucas expectativas e fiquei agradavelmente surpreendida com a diversão que tive. Não reinventa a roda, mas consegue deixar mais estilosa.” – Laura Prudom, Vice-Gerente de Entretenimento do IGN.

“#AvesdeRapina é como se John Wick entrasse em uma funhouse maluca cheia de glitter e com vários xingamentos. É tudo o que você pode pedir de Arlquina e sua gangue de garotas. Gostei desse filme completamente.” – Líder Editorial da Atom Tickets.

“#AvesDeRapina conta com ótimas cenas de ação, humor e alguns dos personagens mais memoráveis que já vimos nos filmes da DC, mas o grande destaque fica por conta de Margot Robbie. Ela está fantabulosa como Arlequina, além de provar que às vezes nossos relacionamentos mais valiosos são os que temos com boa comida.” – Erik Davis, Editor-Chefe do Fandango.

Aves de Rapina: Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa estreia dia 6 de fevereiro nos cinemas.

Diretora de Aves de Rapina revela que recebeu conselho de Patty Jenkins

O mais novo filme da DC se aproxima, trazendo nas telonas novamente Margot Robbie como a Arlequina, comandando as Aves de Rapina. Em uma entrevista a Variety, Cathy Yan afirmou ter recebido conselho de Patty Jenkins, que dirigiu Mulher Maravilha (2017).

Cathy Yan, diretora de 33 anos, fez quatro filmes em toda sua carreira, sendo três deles curta-metragens. A diretora nasceu na China, mas viveu boa parte de sua vida nos Estados Unidos.

Questionada em como ela ficou sabendo da equipe feminina da DC, ela respondeu:

Peguei um café com Christina Hodson, a roteirista, um mês ou dois depois de Sundance. Nós nos demos muito bem. E foi ótimo ver alguém que tinha um histórico semelhante a mim trabalhando nesse nível. Foi a primeira vez que ouvi falar sobre o filme.

Muito surpresa com sua escolha para a direção e entusiasmada com isso, a diretora revelou a escolha de um novo visual pra Gotham, mais colorido, sendo a cara da Harley.

Eu sabia que queria criar um tipo diferente de Gotham, através dos olhos da Harley, que nunca tínhamos visto antes. Você sabe, a Gotham do Batman é muito parecida com as torres ousadas, altas e art déco – como o centro de Manhattan. Eu estava pensando que essa Gotham deveria se sentir diferente. É o mundo da Arlequina. É um pouco mais sucateado, e um pouco mais do bairro externo. Além disso, eu também queria ter certeza de que estava mais colorido e colorido. É corajoso, mas ao mesmo tempo, as pessoas estão se divertindo. As pessoas ainda não desistiram. Não é um mundo triste, onde nada funciona.

Ainda na entrevista, ela falou sobre como Patty Jenkins a motivou nessa processo.

Eu tive esse apoio institucional desde o início. Mas, ao mesmo tempo, todos os dias, lembro-me de estar muito preocupado, tipo, nunca tinha feito isso antes. Na verdade, chamei Patty Jenkins durante a preparação e fico tipo “O que estou fazendo?” Ela me disse: “Você precisa se lembrar que ninguém conhece esse filme tanto como você. É isso que faz de você o diretor.” E isso foi muito, muito útil.

Muito animada com sua produção, além de Mulher Maravilha 1984, Viúva Negra e Os Eternos serem dirigidos por mulheres, Yan acredita que as diretoras podem fazer uma grande escala no universo cinematográfico, para garantirem seu espaço em grandes produções.


A nova produção da DC teve reações positivas, descrito como bastante violento, cenas de ação incríveis e sendo um dos melhores filmes de heróis desde a Trilogia Nolan.

Aves de Rapina: Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa chega dia 6 de fevereiro nos cinemas.

Confira o trailer final abaixo:

Aves de Rapina| Novo trailer cheio de ação dá mais detalhes da trama

Recentemente, A Warner Bros. divulgou o segundo trailer de Aves de Rapina: Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa. Confira abaixo:

O trailer destaca ainda mais a equipe e como a Arlequina se “livrou” do Coringa. Além disso, temos o primeiro vislumbre de Roman Sionis como Máscara Negra e Victor Zsasz com suas marcas convencionais no corpo.

Sinopse: “Você já ouviu aquela música sobre um policial, uma cantora, uma psicopata e a princesa da música? Aves de Rapina: Arlequina e Sua Emancipação Fantabulosa é um elemento distorcido narrado pela Harley, como ela poderia contar. Quando o mais terrível e narcisista vilão de Gotham, Roman Sionis, e seu braço direito, Zsasz, inicia um cassar uma jovem chamada Cass, a cidade é virada de cabeça para baixo em busca da garota. Os caminhos de Arlequina, Caçadora, Canário Negro e Renée Montoya se separam e o quarteto improvável não tem escolha a não ser um para derrubar romano”.

O filme estreia dia 6 de fevereiro nos cinemas.