Crítica: Assassinos da Lua das Flores (2023)

Aviso: Crítica sem spoilers!


O que define a ganância?


O que define a ganância? É um sentimento humano que corrompe o indivíduo por possuir algo que deseja, mas essa sensação de conseguir não é o bastante para se satisfazer, e aos poucos a vontade de possuir qualquer coisa sobe a cabeça. A ganância e o poder caminham juntos, já que ambos são sentimentos que obscurece a mente e revelam um lado assustador de nós. Mas existe um limite para a ganância e o poder? Bem, Martin Scorsese irá responder essa pergunta.

A melhor maneira de expressar a experiência de Assassinos da Lua das Flores seria descrever a obra como um épico western policial que estuda o pior lado do ser humano, e Martin Scorsese faz questão de trabalhar esse tema durante suas 3H e pouco de duração, além de explorar a violência por outro ângulo, não é igual em Taxi Driver (1976), mas a violência é retratada como um elemento cru e rápido.

Assassinos da Lua Das Flores é baseado em uma história real? - Canaltech

Assassinos da Lua das Flores é baseada do livro do mesmo nome escrito por David Grann, que relata a história real dos assassinatos de Oklahoma na década de 1920 contra a tribo indígena Osage, após a descoberta de petróleo em suas terras. É impressionante como o Scorsese lida com essa história apagada pelos EUA, porque se fosse outro diretor ele não teria a capacidade de desenvolver esse crime bárbaro varrido debaixo do tapete.

A mitologia do gênero western sempre foi vinculado pelo conflito entre cowboys e indígenas, e isso era evidente pelos primeiros filmes do gênero, onde a figura do nativo-americano era retrata como um vilão violento que invadia as cidades e sequestrava as mulheres, além da representação dos povos nativos ser tratada com um viesse bastante racista. E pensando assim, o Scorsese usa os conceitos do western para inverter os papéis e explorar a dinâmica entre o homem branco e o povo osage, e navegar até onde vai essa relação conflituosa.

Inúmeros longas já exploram o aspecto do petróleo de maneiras diferentes e aqui, o cineasta trabalha o petróleo como um elemento oculto da narrativa, mas o que isso significa? Significa que ele está lá para complementar as consequências da trama e não tirar o foco do povo osage.

Em Assassinos da Lua das Flores, Scorsese revigora o épico de crime |  Crítica - NerdBunker

Como dito antes, o Scorsese trabalha a violência do longa por outra perspectiva, isso é desenvolvido nos assassinatos da comunidade osage, as mortes são apresentadas como rápidas e estilizadas, além de que o público é testemunha desses crimes, mas não tem o poder para denunciá-los.

Leonardo DiCaprio (Titanic) e Robert De Niro (Bons Companheiros) são duas forças da natureza que encararam o desafio de interpretar dois personagens sujos que não se importam com a vida de alguém, apenas ligam pelo dinheiro. Esses dois personagens reforça o argumento de Scorsese sobre a ganância corromper a mente humana.

Mas a verdadeira protagonista da obra é a Lily Gladstone (First Cow), que tem uma performance destruidora por conta da sua personagem (Mollie) sofrer as piores experiências possíveis, pois ela sofre pelo massacre do seu povo e ainda precisa enfrentar uma dúvida se seu marido ainda ama ela. É uma das melhores interpretações femininas de 2023.


Veredito

No final da experiência de Assassinos da Lua das Flores, surge uma pergunta sincera: ‘por que não temos mais épicos no cinema?’. É uma alegria saber que ainda temos Martin Scorsese na ativa para proporcionar histórias como essas sendo contadas e podemos cravar a certeza que ele é o maior cineasta vivo na atualidade.

10/10.

Anúncios

Leia também

+ There are no comments

Add yours

Deixe um comentário