Batman: Arkham Knight era lançado há 5 anos

O último jogo da Trilogia Arkham pela Rocksteady Studios era lançado no dia 23 de junho de 2015 para Playstation 4 e Xbox One, sendo o desfecho principal do Batman nos games e de toda a Saga Arkham, incluindo Batman Arkham Origins, da Warner Bros Montreal.

Com os sucessos absurdos de Batman Arkham Asylum (2009) e Batman Arkham City (2011), tendo ganhado a crítica – até hoje ganham -, a decisão de fazer o encerramento foi tomada. Antecipando o último jogo da franquia, a WB Montreal desenvolveu Batman Arkham Origins, um prelúdio de Arkham Asylum e Arkham City. O jogo agradou uma parte dos fãs pela história, trilha sonora e personagens, assim como a crítica, mas teve uma nota bem abaixa do esperado por conta dos gráficos e a mecânica não ter evoluído, tornando o jogo discriminado pela base de fãs do Arkham.

Planejado para lançar em outubro de 2014, Batman Arkham Knight teve a data modificada para junho de 2015, e os fãs dos games esperavam ansiosamente o lançamento do que seria o último jogo da Saga Arkham. A pré-venda começou no dia 2 de junho, com as edições especiais Limited Edition e Batmobile Edition, que asseguravam muitos itens especiais do jogo. Ambas as edições incluem um Steelbook, artbook, um quadrinho do jogo referente à primeira edição e uma skin da versão do Batman dos Novos 52. A única coisa que difere é que a Limited Edition traz uma estátua do Batman, e a Batmobile Edition uma estátua do Batmóvel, com o mesmo visual do game.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Com o lançamento, a euforia foi grande e as vendas chegaram a 5 milhões de cópias em outubro de 2015. A crítica elogiou muito a história, inovação na mecânica e jogabilidade, porém focou mais na parte do uso excessivo do Batmóvel, seja em partes da história ou nas missões do Charada – convenhamos, todas elas são chatas, só é mais dignificante decifrar as charadas pela cidade e ler as histórias. Além disso, boa parte dos fãs ficou decepcionada com a luta contra o Exterminador, pois esperavam um combate corpo-a-corpo, assim como em Arkham Origins. Mas tudo isso não tirou a beleza que o jogo tem, em conquistar o fã pelo visual e enredo.

Por falar em enredo, Batman: Arkham Knight tem uma história brilhante, que consegue misturar tensão, medo e tristeza. Vários acontecimentos do jogo fizeram com que Batman fosse perdendo sua capacidade física e mental, pois o sangue do Coringa ainda corria por suas veias. No anterior da trilogia, Arkham City, o Coringa envenenou Batman e Gotham com seu sangue infectado pelo veneno TITAN, o mesmo que Bane usa e o Coringa usou no final de Arkham Asylum. Batman recebe ajuda do Senhor Frio para produzir uma cura, porém, por discordâncias, Frio quebrou um dos frascos, restando apenas um, que fora roubado em seguida pela Arlequina. Ao final de tudo, impedindo o Protocolo 10, uma obra de Hugo Strange e Ra’s Al Ghul, Bruce confronta Coringa para salvar Talia e a si mesmo. Batman bebe a cura, mas recebe uma facada no ombro, deixando a única esperança do Palhaço morrer.

Uma das teorias feitas pelos fãs, é dito que Batman deixou a cura cair de propósito, pois em uma das falas deixa claro que ele estava cansado de sempre prendê-lo, o Coringa fugir, causando morte e miséria e sempre faz tudo de novo, repetindo isso várias vezes. Mas é logo descartado quando Batman diz que o salvaria, mesmo depois de ter causado o caos.

Batman: Arkham Knight se passa 9 meses depois da morte do Coringa, com a decisão de Batman e o Comissário Gordon terem queimado o corpo do vilão, após uma série de recompensas de quem recuperasse o corpo – acontecimentos dos quadrinhos. Por um tempo, Bruce se concentrou em se curar e curar os infectados restantes. A calmaria reinava na cidade, até que um ataque começado pelo Anarquia acontece em um restaurante. O Espantalho se revela, fazendo uma transmissão para toda Gotham, contando sobre o ataque que planejou, e que iria vir a planejar na noite de Halloween. Toda a polícia de Gotham evacuou a cidade, e só restava um homem para salvá-la.

c26b9074fdad411d39cbbd7d69ab2f5a

O rumo em que a história toma selaria o fim da lenda do Cavaleiro das Trevas. E realmente selou. A jogada de colocar o Espantalho como vilão foi muito bem sacada, usufruindo de todo conhecimento que ele tem para derrotar o Batman, mas não matá-lo, e sim, arrancar toda sua esperança de que poderia salvar Gotham. Por outro lado, Bruce lutava contra o Coringa em sua mente, relembrando vários acontecimentos que definiram o Batman para sempre. O final de toda a história é muito emocionante e chocante, pois todos agora se pergunta: “quem matou o Batman?”. Essa teoria eu deixo para vocês.

A direção de arte do jogo por David Hego e Albert Feliu é algo surreal, mostrando uma Gotham com grandes prédios, suja e chuvosa, assim como ela deve ser. Claro que, Ian Ball teve um grande trabalho para o design do jogo, tornando ele incrível para nossos olhos. O visual de Gotham encaixou muito bem com o enredo e a mensagem que o jogo quis passar, em meio a tragédias e dor.

Mas, uma das coisas mais marcantes de toda a trilogia foi sempre a dublagem americana, com as vozes de Kevin Conroy (Batman) e Mark Hammil (Coringa), os mesmos da série animada e outras animações. Até o final, ambos fizeram um grande trabalho, assim como Martin Jarvis (Alfred). Era perceptível a entrega de todos os dubladores, causando apenas na voz, uma emoção e tensão. Até mesmo John Noble, que dublou o Espantalho, causou um tremendo pavor coma sua voz.

joker-games-0

Cada dublador encaixou perfeitamente no personagem, tornando-os representantes oficiais no universo Arkham. A forma em que os games retratam toda a mitologia do Cavaleiro das Trevas, indo da personalidade até o visual dos personagens é única. Toda a Saga Arkham construiu um vasto universo, redefinindo para sempre muitos personagens, como o Batman, Coringa, Espantalho e até mesmo Jim Gordon. É muito improvável achar outra mídia que todos os personagens, sem exceção, sejam muito bem apresentados. A Saga Arkham é a melhor representação do Batman já feita desde então.

Antes que eu esqueça de mencionar, a trilha sonora de Batman: Arkham Knight é fantástica, pois demonstra em muitos momentos a tensão e Batman diante do perigo e o medo do fracasso. Nick Arundel e David Buckley entregaram uma trilha majestosa, que faz jus ao Morcego. Definindo a trilha em três palavras, eu diria: tensa, emocional e triste.

Batman: Arkham Knight, sem dúvidas, é o jogo mais profundo de heróis já feito, mostrando todo o sacrifício e perdas que um herói tem pelo caminho. A Saga Arkham definiu o Batman e seu universo para sempre!


 

d9kkesh-3aaa901d-90c5-4474-84c5-4f4348463566

“E foi isso o que aconteceu. Foi assim que o Batman morreu.” 

Uma consideração sobre “Batman: Arkham Knight era lançado há 5 anos”

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s