Crítica: Os Guarda-Chuvas do Amor (1964)

Aviso: Crítica sem spoilers!



Obra-prima dos musicais.


Os Guarda-Chuvas do Amor, curiosamente, não possui nenhum número musical. Sim, poderia ser um filme normal de uma história de amor, caso não fosse o fato do filme ser todo cantando. Fato este que funciona perfeitamente, graças à criação de universo e a entrega do elenco, com falas que são musicadas, bem refletidas na melódica trilha sonora de Michel Legrand.

Fugindo das convencionais histórias de amor, Jacques Demy conduz de forma fascinante a narrativa no decorrer de 3 partes. Na primeira parte nos são apresentados Geneviève e Guy, dois jovens perdidamente apaixonados um pelo outro, com planos de se casar e passarem uma vida juntos. Nessa primeira parte o uso de cores fortes e contrastantes é bem utilizado ao reforçar a aura de paixão envolta nos dois jovens. Nas duas partes posteriores, as cores, em conjunto da já citada melódica trilha sonora, são responsáveis por reforçar a melancolia presente nas situações conflitantes que acabam por deixar a separação do casal quase que inevitável.

Catherine Deneuve, em uma grande performance, entrega a junção perfeita de interpretação e musicalidade. Ela convence muito bem nos momentos de angústia e insegurança que a personagem pede. Sua beleza e sua voz angelical fazem dela uma das grandes românticas do cinema. Nino Castelnuovo, por sua vez, acaba por ser o companheiro ideal de Deneuve no casal de protagonistas. Ele, em especial na terceira parte, convence muito bem nos sentimentos de isolação e mal-estar sentidos pelo personagem, vemos ele, por diversas vezes, cabisbaixo, flutuando na cena com um olhar fixo para o nada.

Mais do que um musical, ou o mero aspecto fantasioso dado pelas fortes cores e a musicalidade do filme, a força de Os Guarda-Chuvas do Amor reside no realismo e na dureza que o filme trata do amor, como o amor pode parecer bom e ruim ao mesmo tempo, como tudo pode mudar de uma hora para outra. Tamanho fascínio que sinto, chego a dizer que é uma das maiores histórias de amor de quem vos fala já viu


Veredito

Sendo mais um dos belos frutos da Nouvelle Vague, Os Guarda-Chuvas do Amor é um apaixonante musical que nos mostra os dois lados do que pode ser o amor.

10/10.

Uma consideração sobre “Crítica: Os Guarda-Chuvas do Amor (1964)”

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s