Review: Stargirl (1×01)

Alerta: SPOILERS! Desça e leia por sua conta e risco.


Stargirl começa com tudo na DC!

A mais nova série do DC Universe, Stargirl, já virou um sucesso entre os grandes fãs de quadrinhos da DC Comics com apenas um episódio lançado. Após o crossover do Arrowverse, Crise nas Infinitas Terras, ficou estabelecido que Stargirl se passaria na Terra-2, e que faria parte do universo de Arrow.

Os primeiros 5 minutos do episódio ‘Piloto’ de Stargirl mostram a Sociedade da Justiça lutando contra os grandes vilões da Sociedade da Injustiça. O pouco que mostra dos heróis, foi o suficiente para saberem que o mundo ainda precisava deles. Os vilões, naquele dia de natal, conseguiram um grande feito, que foi derrotar toda o Sociedade da Justiça, e acabar com seu legado; ou quase isso. O único que sobrou foi Pat Dugan (Luke Wilson), que era o ajudante do Starman (Joel McHale).

Após a morte de todos da Sociedade da Justiça, e de seu companheiro, Pat guardou todas as lembranças, fotos, fichas criminais e o Cetro Cósmico do Starman, para que um dia ele fosse encontrado por alguém com honra de usá-lo.Justice_Society_of_AmericaUma das coisas que mais foi agradável nos primeiros 5 minutos, e também no decorrer do episódio, foi o CGI, que estava absurdamente incrível! Geoff Johns, co-criador da série, prometeu que teria um belo visual, e não mentiu. As chamas verdes, as investidas com o Cetro Cósmico e também do vilão Mago, são um show à parte.

Outro ponto positivo também é a audácia de finalmente trazerem um Solomon Grundy do jeito que ele é. Espero que seu visual seja mostrado em breve, pois parece estar sensacional, vendo que isso é uma produção para a TV.

Mas, voltando aos trilhos, Pat segue em frente e conhece Barbara Whitmore (Amy Smart). Ambos se relacionam e logo casam. Em um tempo, eles se mudam para Nebraska, e a filha de Barbara, Courtney (Brec Bassinger) não aprova muito a ideia, já que teria de deixar tudo para trás. A reluta grande não impediu de se mudarem e serem bem recebidos na nova cidade.

O foco passa a ser a família, que no entanto, têm muitas desavenças entre Pat Courtney. A falta de um pai para Courtney desde sua infância não a faz bem, e vendo que Pat tentava substituí-lo, ela tentou se afastar mais. Até descobrir o segredo escondido de Pat, que no passado era o F.A.I.X.A. MV5BNThlMDdmYWQtMWM5Zi00Zjg0LTlkOTUtNWIyN2MxNmIyMGRlXkEyXkFqcGdeQXVyNzE3ODQxNjU@._V1_
Courtney pega o cetro escondido e sai às ruas, tentando descobrir o que àquilo fazia. Sem querer, após se aventurar, ela chama a atenção indesejada do antigo líder da Sociedade da Injustiça, o Onda Mental (Christopher James Baker). O carro que ela explodiu era do próprio vilão. Uma coisa era certa, Courtney tinha o dom de carregar o Cetro Mágico.Mesmo com o aviso de Pat, Courtney sai para treinar e se depara com o Onda Mental. Ele estava disposto a matar Whitmore, para que não houvesse um novo herói que pudesse carregar o Cetro Mágico de Starman. Ao falhar em seu plano de assassinar a nova Sideral, o final fica em aberto com ele contra uma explosão, enquanto Courtney fugia do galpão de pneus. E mais uma vez, Pat aparece para socorrer sua nova filha, dentro de seu traje balístico – o traje foi construído por Pat, que usou suas habilidades de mecânica para isso, além de ser o antigo carro da equipe.

Além do CGI impecável para uma série, a trilha sonora se encaixou perfeitamente com o tema, trazendo uma adolescente para ser a sucessora de um grande herói e assumir seu legado. O figurino, também, consegue ser tão fiel aos quadrinhos que chega a impressionar. Stagirl tem tudo pra ser uma das melhores séries de heróis atualmente.

Porém, peca em certas coisas, como aniquilar toda a Sociedade da Justiça, sem ao menos mostrar um desenvolvimento maior. Mas, com o andamento da série, podemos ter muitos flashbacks, mostrando o passado dos heróis lendários.

Veredito

Stagirl começa muito bem, com um ótimo visual e começo de história singelo. A série que faz parte do Arrowverse, tem uma história totalmente diferente dos outros shows da DC, trazendo algo mais fiel e quadrinesco, e com certeza, tende a ter uma grandiosa temporada. Quem sabe um dia possa fazer um crossover com os outros shows da DCTV.

9/10.

Uma consideração sobre “Review: Stargirl (1×01)”

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s