Crítica: 1917

Aviso: Crítica sem spoilers!


A Grande Guerra vista de perto.


O mais novo filme de Sam Mendes, com 10 indicações ao Oscar, e tendo levado 3 estatuetas, é uma bela façanha de produção e eficácia num longa que trata de guerra. A percepção do diretor acerca do assunto, fez com que muitos fãs de filmes de guerras e historiadores, mergulhassem num ambiente brutal e épico que é 1917.

Em tempos mais modernos no cinema, ver uma produção de guerra em grande escala não é tão difícil. Filmes biográficos de heróis como Até o Último Homem, ou de um clima mais tenso e pesado como Dunkirk. Porém, é, de fato, difícil ver grandiosas produções da Primeira Guerra Mundial. Uma mais recente foi Mulher Maravilha, mas convenhamos, não é um filme de guerra como de costume. A ação de 1917 começa logo nos primeiros 10 minutos. Não há parada parada para descanso.

Os dois protagonistas do começo, Cabo Schofield (George MacKay) e o Cabo Blake (Dean-Charles Chapman), tem a missão de levar uma mensagem do General Erinmore (Colin Firth) para cessar um ataque contra as tropas alemãs em Croisilles. Uma única carta teria de salvar 1600 homens do Coronel Mackenzie (Benedict Cumberbatch), entre eles o irmão de Blake. Com a confirmação do recuo alemão no Front Ocidental, os Cabos ingleses logo partiram para a longa jornada. O recuo das tropas alemãs era apenas uma tática para que os ingleses caíssem na armadilha. A chamada Operação Alberich consistiu na retirada estatégica alemã para a Linha Hindeburg, que era mais curta e em nova posição, facilitaria a defesa contra a Entente em território francês.

MV5BYjVjNWYwMDUtNTgzMy00OTMyLTkzMjctM2YwMzYzNDA4NThkXkEyXkFqcGdeQXVyNzg0ODMwNDg@._V1_SX1777_CR0,0,1777,755_AL_

Numa mistura de real com originalidade, o diretor molda o roteiro em cima das histórias de seu avô, este que esteve em trincheiras e por muitas vezes foi mensageiro. Na mesma medida, ele traz o trabalho do avô para o filme, fazendo do protagonista um mensageiro improvisado que corre contra o tempo.

Enquanto Blake e Schofield atravessavam a Terra de Ninguém, tivemos um lindo vislumbre do ambiente, das trincheiras e de tudo que uma guerra proporciona. Corpos de soldados, ratos, armas destruídas, campos enlameados com poças d’água e um dia nublado, para manter ainda mais o clima pesado. Os movimentos da câmera nos permitiam ver tudo, até os mínimos detalhes. A câmera sempre seguia os protagonistas, não desviando nenhuma vez. Sem cortes de cenas, mantendo um plano-sequência contínuo, Roger Deakins consegue manter o espectador sempre de olho no filme, para que nenhum detalhe da trama escape.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Assim como na cinematografia, Deakins cuidou da fotografia de forma minuciosa, usando cores mais escuras ao decorrer do filme, para transmitir a dor e a tragédia de uma guerra. Em momentos mais oportunos, usava cores quentes, mas não com tanta frequência. A montagem de Lee Smith e o design de produção de Dennis Gasner contribuíram de forma espetacular. Faz com que quem está vendo, se sentir dentro da Grande Guerra, combatendo as forças inimigas na França. Num todo, a escolha do ambiente para as filmagens, e sempre em dias mais nublados, ajudou muito no processo final.

MV5BZjc4MWY5ZmUtN2YxMy00Yzc3LTgxZDUtYTJlNDBmNjgwMzBiXkEyXkFqcGdeQXVyNzgxMzc3OTc@._V1_SX1777_CR0,0,1777,744_AL_

A direção tensa de Mendes proporcionou muitos momentos de suspense e angústia. Após uma cena de tiroteios e o total apagar das luzes, a cena de fuga precisou um pouco de abafo para acalmar os espectadores. Foi nesta cena que Schofield descobre o caminho certo para a conclusão da missão. Não demorou tanto assim para a ação começar novamente, e já se encaminhando para o final do filme.

O final estrondoso, em meio a trincheiras com centenas de soldados entrando para o ataque contra os alemães, desfaz do momento calmo de uma canção inglesa dos soldados, para construir o maior momento do filme. Tudo parecia acabado para Schofield, até que os soldados fazem algumas perguntas e depois afirmam ser os Devons, o pelotão que o Cabo tem a missão de salvar. Era nítido a exaustão do soldado na reta final. Mesmo ferido, ele seguiu seu caminho. E é aí que a excepcional trilha sonora de Thomas Newman entra na discussão. A mistura de drama, suspense, epicidade e heroísmo em uma apenas uma faixa torna a trilha de 1917 uma das melhores de filmes de guerras já feitas, se não a melhor. E também uma das melhores do ano, que deveria muito bem reconhecida. Não só Sixteen Hundred Men como destaque, mas Gehenna e Night Window conseguem ser tensas e com momentos de suspense. Newman acerta numa trilha sonora espetacular, misturando paz, tragédia, medo, suspense, angústia e tensão para formar a épico que o 1917 precisava.

Na trincheira, o cansaço evidente de Schofield parecia ter sido deixado de lado e substituído pela persistência. MacKay mostrou até aonde vai os limites do ser humano, forçando o físico ao máximo para alcançar o objetivo. O medo nos olhos de alguns soldados, a raiva e o desespero de comandantes torna o plano-sequência final glorioso. No meio de explosões e de soldados machucados, o Cabo perfilava seu caminho até o Coronel, para cessar o ataque. Tendo 30 segundos e 270 metros, para entregar a mensagem, Schofield teria de passar no campo aberto. E é o ponto máximo do filme, mostrando até onde o homem pode chegar. Com certeza, a travessia do Cabo com a trilha ao fundo, fez com que a cena fosse a melhor do filme e uma das mais incríveis de todos os tempos.

Este slideshow necessita de JavaScript.

George MacKay e Dean-Charles Chapman se entregaram para seus personagens. A atuação magnífica por parte de MacKay, tornando seu personagem icônico e tão realista quanto, sentindo medo, desafiando seus limites e tendo a mais pura força de vontade, além da saudade que o cerca no final, pensando no tempo que iria voltar a ver quem ama.

1917, por sua vez, recria e explora o momento mais sombrio da humanidade. A Grande Guerra, que devastou o mundo, com massivos ataques, tecnologia absurdamente avançada, recriou territórios e redesenhou o mundo moderno, é a prova de que não deve ser esquecida pela sétima arte. Um conflito horrível e pesado, que merece mais atenção dos estúdios, enquanto estes produzem obras sobre a Segunda Guerra Mundial, saturando um tema tão batido, e fazendo a Primeira Guerra Mundial cair no abismo do esquecimento.


Veredito

1917 documenta uma das mais devastadoras das guerras de forma jamais vista nos cinemas. O drama épico de guerra usufrui de todos os elementos necessários para uma produção de grande escala, trazendo à tona, um realismo absurdo e uma humanidade inquestionável por parte dos protagonistas. Com um plano-sequência invejável, não se perde os mínimos detalhes com o passar do longa. O ambiente em que foi filmado, faz com que o espectador fique imerso na batalha durante todo o filme, sem perder o foco por um segundo. A fotografia impecável, torna ainda mais sombrio e tenebroso o clima da obra.

Com uma trilha sonora e uma atuação majestosa e cheia de tensão, 1917 explora o drama de soldados entrincheirados, temendo o que vai acontecer depois. Sam Mendes mostra o quão persistente e humano o homem consegue ser, mesmo num ambiente tão desumano.

10/10.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s