Martin Scorsese pede que telespectadores não assistam a ‘O Irlandês’ pelo celular

Reconhecendo a duração de seu mais novo épico de máfia, lançado em 27 de novembro na Netflix e em cinemas selecionados, o cineasta Martin Scorsese espera que os telespectadores tratem O Irlandês como uma experiência cinematográfica livre de distrações, incluindo o uso de telefone, com interrupção limitada. Com o filme sendo exibido pelo streaming, ele também está sendo visto pelos celulares, algo que Scorsese “nunca pensou” quando trouxe seu filme para a plataforma, fazendo o mesmo indicar que assistim seus filmes em telas maiores.

“Eu nunca pensei nisso”, admitiu Scorsese em uma entrevista no Popcorn com Peter Travers, quando perguntado se ele estava ciente de que seu filme estava sendo assistido em telas de celular.

“Certamente, eu poderia dizer que, nos últimos 20 anos, fiz filmes tanto para a televisão quanto, em termos de tamanho de tela, para o teatro. Mas nunca para um celular. Não sei como fazer, eu gostaria de poder, mas não sei como.”

E então ele acrescenta:

“Bem, eu sugiro que se você quiser ver um de meus filmes, por favor, não veja pelo celular, por favor. Um iPad, um iPad grande, talvez.”

Questionado sobre a capacidade dos telespectadores de fazer uma pausa no filme para utilizar o banheiro ou descansar devido as 3 horas e 29 minutos de filme, Scorsese disse: “Eu também entendo”.

“Uma das coisas sobre um filme de três horas e meia e o que a Netflix nos proporcionava, é que você pode assistir até o final e voltando ao início depois”.

Ao longo de nove anos, o projeto foi sustentado pelas preocupações em relação ao processo de rejuvenescimento de artistas já de mais idade e pelo alto custo que isso iria levar, tanto que a Paramount, que antes produzia o projeto abandonou o mesmo.

Com um orçamento exorbitante de US $ 140 milhões, O Irlandês está agora em exibição nos cinemas e transmitindo na Netflix, contando com Robert De Niro, Al Pacino e Joe Pesci.